Repressão em Mianmar deixa pelo menos cinco mortos em violento fim de semana

Pelo menos cinco pessoas morreram enquanto o governo militar de Mianmar reprimia os protestos no fim de semana e intensificava a não-tolerância à dissidência com a destituição do representante do país nas Nações Unidas, juntamente com a prisão de jornalistas e centenas de manifestantes.

A polícia da cidade de Dawei, no sul de Mianmar, abriu fogo contra uma multidão no domingo, matando três e ferindo mais de 50 pessoas, informou o New York Times, citando médicos. Um oficial da clínica de emergência Byamaso em Mandalay disse que um manifestante morreu e pelo menos oito outros ficaram feridos. Um manifestante foi baleado em Yangon e morreu no domingo, disse um médico do CDM Doctors Network à Bloomberg News, recusando-se a ser identificado por medo de retaliação.

A polícia de choque prendeu cinco jornalistas em Yangon e um número desconhecido em Monywa e Hakha no sábado por noticiarem os protestos anti-golpe, de acordo com a Rede de Jornalistas de Mianmar. Um deles é fotojornalista da Associated Press. A agência estatal MRTV relatou que a polícia de choque prendeu 479 manifestantes em todo o país no sábado, enquanto a Associação de Assistência para Prisioneiros Políticos disse que 854 manifestantes foram detidos até agora.

“A clara escalada das forças de segurança de Mianmar no uso de força letal em várias vilas e cidades em todo o país em resposta aos manifestantes anti-golpe, em sua maioria pacíficos, é ultrajante e inaceitável e deve ser imediatamente interrompida”, disse Phil Robertson, Diretor Adjunto da Ásia da Human Rights Watch. “Munição real não deve ser usada para controlar ou dispersar protestos e a força letal só pode ser usada para proteger a vida ou prevenir ferimentos graves.”

A junta demitiu no sábado Kyaw Moe Tun, o representante permanente de Mianmar na ONU, depois que ele criticou o golpe e defendeu a líder deposta Aung San Suu Kyi. Em uma reunião informal em Nova York na sexta-feira, Kyaw Moe Tun exortou a comunidade internacional a “tomar a ação mais forte possível” para reverter o golpe de 1º de fevereiro, impedir os militares de oprimir o povo birmanês e devolver o país à democracia.

“Ele falhou em seguir as ordens e instruções do estado, cometeu traição, mostrou sua lealdade” ao comitê parlamentar liderado pelo partido de Suu Kyi e “abusou de seus poderes de embaixador de Mianmar”, disse o Ministério das Relações Exteriores em um comunicado no sábado.

A tomada de poder pelos militares desencadeou semanas de protestos ferozes no país e gerou condenação internacional. Centenas de milhares de manifestantes ignoraram as proibições de reuniões públicas, levando a confrontos ocasionais com as forças de segurança que deixaram vários manifestantes mortos. O governo Biden anunciou sanções contra os líderes militares do país.

Os chanceleres do sudeste asiático estão planejando se reunir nesta semana para discutir a situação, informou a agência de notícias japonesa Kyodo no sábado. A maioria dos membros do grupo de 10 nações expressou vontade de ingressar, e o ministro das Relações Exteriores de Mianmar nomeado pelos militares, um membro da Asean, foi convidado a participar, de acordo com a Kyodo. Chamadas ao Ministério das Relações Exteriores de Mianmar para comentários sobre a reunião não foram respondidas.

A polícia nas principais cidades, incluindo Yangon, Mandalay e Monywa, prendeu no sábado manifestantes que se reuniam nas ruas. Em alguns lugares, tiros foram disparados e gás lacrimogêneo foi usado para dispersar as multidões, disseram testemunhas. Suu Kyi foi presa no golpe e enfrenta uma possível sentença de prisão sob a acusação de importação ilegal de walkie-talkies e violação das restrições da Covid-19 durante a campanha no ano passado.

Na sexta-feira, o representante da ONU de Mianmar instou a comunidade internacional a não aceitar o regime militar e pediu o reconhecimento dos resultados das eleições gerais de novembro nas quais a Liga Nacional para a Democracia de Suu Kyi obteve uma vitória esmagadora.

Kyaw Moe Tun disse que “são necessárias todas as medidas mais fortes possíveis para impedir os atos violentos e brutais cometidos pelas forças de segurança contra manifestantes pacíficos e acabar imediatamente com o golpe militar”.

A Liga Nacional para a Democracia planeja formar um governo paralelo que possa se envolver com a comunidade internacional, relatou o Financial Times, citando um oficial do partido que está fugindo.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *