Reino Unido busca ‘moderar’ a China com pressão por mais influência no Indo-Pacífico


A Grã-Bretanha quer expandir sua influência entre os países da região Indo-Pacífico para tentar moderar o domínio global da China, um documento que estabelece as prioridades da política externa pós-Brexit vai dizer na terça-feira.

O documento também destacará a importância de fortes laços com os Estados Unidos, e a mídia britânica disse que um aumento foi planejado para o arsenal nuclear da Grã-Bretanha e que a Rússia seria considerada uma das principais ameaças à segurança.

A maior revisão da política externa e de defesa da Grã-Bretanha desde o fim da Guerra Fria definirá como o primeiro-ministro Boris Johnson deseja estar na vanguarda de uma ordem internacional revigorada e baseada em regras, baseada na cooperação e no livre comércio.

Chamando o Indo-Pacífico de “cada vez mais o centro geopolítico do mundo”, o governo destacou a implantação de um porta-aviões britânico planejado para a região e disse que uma visita anteriormente adiada à Índia ocorreria em abril.

O secretário de Relações Exteriores, Dominic Raab, reconheceu que as tentativas da Grã-Bretanha de influenciar Pequim foram marginais até agora, e disse que a cooperação com outras nações da região lhe deu uma chance melhor de persuadir a China a jogar de acordo com as regras estabelecidas.

“Estamos muito melhor atuando em conjunto com grupos de países com idéias semelhantes – não apenas os europeus e americanos – mas de forma mais ampla para tentar ter o máximo impacto e moderar o impacto sobre a China, porque é sensível à sua reputação”. Raab disse à Times Radio.

Os Estados Unidos também sublinharam a importância da região do Indo-Pacífico sob o presidente Joe Biden e alertaram contra a crescente assertividade da China, e a União Europeia também espera aprofundar os laços com os países do Indo-Pacífico.

O governo britânico disse que a “Revisão Integrada” mostrará que a Grã-Bretanha, que deixou a UE no ano passado, ainda tem influência internacional após o Brexit e definirá uma nova era para o país.

“Estou profundamente otimista sobre o lugar do Reino Unido no mundo e nossa capacidade de aproveitar as oportunidades que virão”, disse Johnson em uma declaração ao parlamento.

FUTURO PÓS-BREXIT

O documento será examinado em busca de evidências de como o governo cumprirá as promessas de Johnson enquanto a Grã-Bretanha lida com as consequências econômicas e políticas do Brexit e da pandemia de Covid-19.

O jornal Sun informou que o documento aumentaria o limite máximo de ogivas nucleares da Grã-Bretanha de 180 para 260.

A Sky News disse que o relatório classificaria a Rússia como uma “ameaça ativa” e faria uma abordagem mais sutil da China como um “desafio sistêmico” – uma referência à sua liderança autoritária, ao invés de democrática, e sua influência econômica.

Em 2015, o então ministro das finanças da Grã-Bretanha, George Osborne, previu uma era “dourada” nas relações sino-britânicas. Mas os laços se desgastaram por causa de questões como a entrega da ex-colônia britânica de Hong Kong por Pequim e questões de segurança em torno do investimento chinês na Grã-Bretanha.

Raab disse ao Sky News que a Grã-Bretanha gostaria de ter um relacionamento positivo com a China, mas não à custa de defender seus valores.

Uma declaração que antecedeu o relatório sublinhou “a importância da nossa relação com os EUA” ao lado da defesa da democracia e dos direitos humanos e da segurança contra o terrorismo.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.