Rastreamento de contato: a Noruega encerra o aplicativo de rastreamento de vírus por questões de privacidade – Últimas Notícias


OSLO: Noruega suspendeu o uso de seu aplicativo para smartphone destinado a rastrear e rastrear coronavírus contágio após briga pública entre as autoridades de saúde e o órgão de fiscalização da informação.

Geir Bukholm, funcionário do Instituto Norueguês de Saúde Pública, disse que a decisão na segunda-feira de excluir dados e interromper qualquer coleta de informações adicionais do aplicativo “enfraqueceu a preparação do país” caso a taxa de infecção aumentasse. O aplicativo estava sendo testado em três municípios.

Mas a Agência Norueguesa de Proteção de Dados disse, entre outras coisas, que a baixa taxa de infecção significava que a coleta de dados no aplicativo não podia mais ser justificada contra preocupações de privacidade.

Atualmente, a Noruega tem entre 50 e 100 casos confirmados do vírus COVID-19, de acordo com o NIPH. Há entre 20 e 50 novos casos por semana.

Temendo uma segunda onda ou disseminação localizada da infecção, a diretoria de saúde discutirá em uma reunião com o órgão de vigilância de dados na sexta-feira que a tecnologia deve ser reativada.



Os governos europeus têm implementado aplicativos de rastreamento de smartphones para ajudar a combater novos surtos de coronavírus. A Noruega foi uma das primeiras a sair do bloco, mas seu “Smittestopp” levantou preocupações porque usava rastreamento por GPS e carregava dados para servidores centrais a cada hora.

O aplicativo foi suspenso antes de um relatório da Anistia Internacional analisar rastreamento de contato aplicativos da Europa, Oriente Médio e Norte da África, que descobriram que o aplicativo norueguês era um dos mais alarmantes para a privacidade por causa de seu “rastreamento ao vivo ou quase ao vivo dos locais dos usuários”. O grupo de direitos humanos disse que compartilhou suas descobertas com as autoridades no início deste mês e pediu que elas mudem de rumo.

“Este episódio deve ser um aviso para todos os governos que estão avançando com aplicativos invasivos e projetados de maneira a colocar em risco os direitos humanos”, disse Claudio Guarnieri, chefe do Laboratório de Segurança da Anistia.

Outros países, como Alemanha, Itália, Suíça e Letônia, estão adotando uma abordagem “descentralizada”, usando uma interface de software Google-Apple que, segundo especialistas, é melhor em termos de privacidade, porque mantém dados sobre contatos em iPhones e Android dispositivos.


Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.