Quatro detidos em meio a investigação sobre ataque mortal a delegacia de polícia francesa


As autoridades francesas detiveram uma quarta pessoa enquanto investigadores antiterrorismo interrogavam outras três, depois que um policial foi fatalmente esfaqueado em uma delegacia nos arredores de Paris.

A polícia francesa matou o suspeito tunisiano na sexta-feira após o assassinato de um funcionário administrativo desarmado na entrada de sua delegacia de polícia na cidade de Rambouillet.

O pai do suspeito está entre as quatro pessoas atualmente detidas, disse uma autoridade judicial.

Um casal que alojou o suspeito em um ponto e um membro de sua comitiva, que foi detido no sábado, também estão sendo interrogados.


Polícia perto da cena do incidente (Clement Lanot via AP)

A vítima, uma funcionária da Polícia Nacional, havia saído da delegacia para estender seu tempo no parquímetro e foi seguida até a área de entrada pelo agressor, que foi morto a tiros por um policial.

O ataque levou o governo francês a examinar mais a fundo as novas medidas necessárias para proteger os policiais.

O ministro do Interior, Gerald Darmanin, deve apresentar em breve um projeto de lei que dará novos dentes a uma lei anti-terrorismo, disse o coordenador nacional de inteligência Laurent Nunez no BMFTV.

O Sr. Darmanin disse: “(Polícia) sabe que temos uma luta difícil contra o terrorismo islâmico … a luta não vai parar amanhã ou no dia seguinte.”

O presidente francês Emmanuel Macron visitou a família da vítima, uma senhora de 49 anos identificada apenas como Stephanie.

Ela morava em Thoiry, cerca de 30 quilômetros ao norte de Rambouillet. O gabinete do presidente afirmou querer “mostrar apoio e solidariedade para com a família” que estava “muito contrariada e muito digna”.


Pessoas entregam flores aos policiais para serem levados à delegacia onde um policial foi morto a facadas (AP)

Um fluxo constante de pessoas com flores entregou os buquês aos policiais em Rambouillet, que estavam guardando a rua bloqueada onde fica a delegacia.

O agressor entrou na França ilegalmente em 2009 e recebeu documentos de residência em 2020, disse um oficial judicial.

O agressor havia vigiado a delegacia antes do tempo, disse o promotor antiterrorismo Jean-France Ricard.

Essa preparação, juntamente com as declarações que ele fez durante o ataque e o ataque a um policial, levaram a procuradoria nacional antiterrorismo a assumir a investigação.

O suspeito de 37 anos, identificado pelas autoridades francesas como Djamel G, não tinha ficha criminal ou registro de radicalização, informou a mídia francesa.

Mas testemunhas o ouviram dizer “Allahu akbar” – árabe para “Deus é grande” – durante o ataque, de acordo com um oficial.


O atacante foi morto a tiros no local (AP)

Publicações raras no Facebook e Instagram de contas que se acredita pertencerem ao suspeito do invasor, que soletra seu nome Jamel, insinuam um homem que discutiu ao longo dos anos sobre suas lealdades, mas não tinha laços abertos com uma ideologia extremista.

O SITE Intelligence Group, com sede nos Estados Unidos, descobriu as contas, nas quais ele se descreveu como um tunisiano de Msaken, perto da cidade costeira oriental de Sousse.

A última postagem de Jamel G em 18 de abril é uma oração pelo bendito Ramadã, o mês sagrado muçulmano que está em andamento.

O governo francês tem enfatizado a segurança, atento à eleição presidencial do próximo ano.

Macron prometeu colocar mais oficiais nas ruas e o ministro do Interior diz que 10.000 serão acrescentados no próximo ano.

Darmanin fez questão de defender a polícia em meio a alegações de brutalidade em meio ao movimento Black Lives Matter e à crescente popularidade do líder de extrema direita Marine Le Pen.

Em outros ataques anteriores, três policiais franceses e um funcionário administrativo foram mortos por um colega em 2019 dentro da sede da polícia de Paris.

Um casal de policiais também foi assassinado em 2016 em sua casa na mesma região de Rambouillet.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.