Quase três em cada quatro crianças de 14 anos que admitiram se auto-prejudicar eram meninas – estudo do Reino Unido


Quase três quartos das crianças de 14 anos no Reino Unido que disseram a uma pesquisa que se machucaram eram meninas, de acordo com um novo estudo.

As descobertas de uma pesquisa com mais de 11.000 crianças revelam que cerca de 15% delas se machucaram de propósito no ano anterior.

Entre eles, 73% eram meninas, enquanto 27% eram meninos.

Pesquisadores da Universidade de Warwick dizem que meninas de 14 anos se tornaram "o novo grupo de alto risco", com uma combinação de fatores como desigualdade de gênero, pobreza, imagem corporal e uso de mídia social.

Os pesquisadores dizem que o sistema atual, que torna as escolas responsáveis ​​por apoiar crianças com problemas de saúde mental sem recursos e treinamento suficientes, não está funcionando e está pedindo melhores estratégias de prevenção.

Dimitra Hartas, do Centro de Estudos da Educação da Universidade de Warwick, disse: “A política atual coloca o ônus de resolver a desigualdade em indivíduos, como jovens, professores e pais.

“Os jovens respondem concentrando-se mais em si mesmos e menos nas estruturas sociais suscetíveis de promover problemas de saúde mental.

“Meninas e mulheres jovens tendem a internalizar problemas sistêmicos e se culpam.

"Um bom ponto de partida para estratégias adequadas de saúde pública e educação é entender as consequências perniciosas da desigualdade de gênero e da pobreza para o bem-estar dos jovens".

Um bom ponto de partida para estratégias apropriadas de saúde pública e educação é entender as consequências perniciosas da desigualdade de gênero e da pobreza para o bem-estar dos jovens

Os dados sobre a automutilação foram coletados no Millennium Cohort Study 2015, um projeto de pesquisa que segue a vida de 19.000 crianças nascidas no Reino Unido entre 2000 e 2001.

No estudo, publicado na revista Research Papers in Education, as meninas também foram muito mais propensas (79%) a reportar um baixo senso de valor próprio, incluindo baixa auto-imagem, em comparação aos meninos (21%). .

E mais de quatro em cada cinco (78%) deles relataram características depressivas e humor baixo em comparação com um em cada cinco meninos (22%).

O estudo também descobriu que adolescentes de famílias de baixa renda eram significativamente (48%) mais propensos a relatar baixa satisfação com a vida do que os de lares ricos.

A mídia social também teve consequências negativas para as crianças de 14 anos, com os jovens gastando mais de cinco horas por dia online relatando menor satisfação com a vida em comparação com aqueles que gastam menos de duas horas.

No entanto, os pesquisadores também identificaram vínculos entre parentalidade positiva e boa saúde mental, onde a auto-agressão e as perspectivas negativas diminuíram em meninos e meninas emocionalmente próximos de seus pais.

Segundo o Dr. Hartas, isso pode ser porque os pais vigilantes têm maior probabilidade de alertar as crianças da possibilidade de risco e violência.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.