‘Profunda preocupação’: ONU condena violência contra manifestantes e mortes em Mianmar


O Conselho de Segurança da ONU na quinta-feira condenou veementemente o uso de violência contra manifestantes pacíficos e a morte de centenas de civis em Mianmar, mas retirou a ameaça de uma possível ação futura contra os militares após o golpe de 1º de fevereiro.

O comunicado à imprensa redigido pela Grã-Bretanha e aprovado por todos os 15 membros do conselho após intensas negociações iniciadas na quarta-feira expressou “profunda preocupação com a rápida deterioração da situação” em Mianmar e reiterou o apelo do conselho aos militares para “exercerem o máximo de moderação”

O rascunho original era muito mais forte e teria expressado a “disposição do Conselho de Segurança para considerar outras medidas”, que poderiam incluir sanções. Também teria “deplorado” o uso de violência contra manifestantes pacíficos e “condenado nos termos mais veementes a morte de centenas de civis pelas forças de segurança”.

Leia também | Mianmar ordena desligamento da internet sem fio: telecomunicações

Mas por insistência da China, a referência a “etapas adicionais” foi eliminada e a linguagem mais forte, incluindo as palavras “matar” e “deplorar”, foi suavizada na declaração final, disseram diplomatas do conselho, falando sob condição de anonimato porque as discussões eram privadas .

A referência a “etapas adicionais” foi substituída na declaração final por uma frase dizendo que os membros do conselho “enfatizaram que continuaram a monitorar a situação de perto e permaneceriam ativamente envolvidos com o assunto”.

A declaração final do conselho também conclamou “todas as partes a se absterem da violência” – que diplomatas disseram que a Rússia exigia – e “reiterou a necessidade de respeitar plenamente os direitos humanos e buscar o diálogo e a reconciliação de acordo com a vontade e os interesses do povo de Mianmar. ”

Ele também observou a declaração do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, de 27 de março, “pedindo uma resposta firme, unificada e resoluta da comunidade internacional”.

O comunicado de imprensa seguiu-se à reunião fechada do conselho de quarta-feira, na qual a enviada especial da ONU para Mianmar, Christine Schraner Burgener, alertou que o país enfrenta a possibilidade de uma guerra civil “em uma escala sem precedentes” e exortou o Conselho de Segurança a considerar “ação potencialmente significativa” reverter o golpe e restaurar a democracia.

Ela não especificou que ação considerou significativa, mas pintou um quadro terrível da repressão militar e disse ao conselho em uma reunião fechada que Mianmar “está à beira de uma espiral rumo a um estado falido”. Ela exortou o conselho a “considerar todas as ferramentas disponíveis para realizar uma ação coletiva” e fazer o que o povo de Mianmar merece – “prevenir uma catástrofe multidimensional no coração da Ásia”.

O golpe reverteu anos de lento progresso em direção à democracia em Mianmar, que por cinco décadas padeceu sob estrito regime militar que levou ao isolamento e sanções internacionais. Conforme os generais afrouxaram o controle, culminando com a ascensão de Aung San Suu Kyi à liderança nas eleições de 2015, a comunidade internacional respondeu levantando a maioria das sanções e investindo no país.

Na reunião virtual de quarta-feira, Schraner Burgener denunciou a morte e prisão de manifestantes desarmados que buscam restaurar a democracia. Ela citou dados da Associação de Assistência a Prisioneiros Políticos de Mianmar de que até quarta-feira cerca de 2.729 pessoas foram presas, acusadas ou condenadas desde o golpe e cerca de 536 pessoas foram mortas.

Esta foi a segunda declaração de imprensa aprovada pelo conselho desde o golpe.

O conselho também adotou uma declaração presidencial – um passo abaixo de uma resolução – em 10 de março pedindo a reversão do golpe, condenando veementemente a violência contra manifestantes pacíficos e pedindo “o máximo de contenção” por parte dos militares. Enfatizou a necessidade de apoiar “instituições e processos democráticos” e pediu a libertação imediata dos líderes governamentais detidos, incluindo Suu Kyi e o presidente Win Myint.

A declaração aprovada na quinta-feira também pede sua liberação imediata.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *