Problema elétrico atinge instalação nuclear iraniana de Natanz

A usina nuclear iraniana de Natanz sofreu um problema envolvendo sua rede de distribuição elétrica no domingo, poucas horas depois de iniciar novas centrífugas avançadas que enriquecem urânio mais rapidamente, informou a TV estatal.

É o último incidente a atingir um dos locais mais protegidos de Teerã em meio às negociações sobre o conturbado acordo atômico com potências mundiais.

A TV estatal citou Behrouz Kamalvandi, porta-voz do programa nuclear civil do Irã, anunciando o incidente.

Ele disse que não houve feridos ou poluição causada pelo incidente.

A palavra televisão estatal usada em seu relatório atribuído a Kamalvandi em persa pode ser usada tanto para “acidente” quanto para “incidente”.

Não esclareceu imediatamente a reportagem, que apareceu na parte inferior da tela em sua transmissão ao vivo.

A Organização de Energia Atômica do Irã, o braço civil de seu programa nuclear, não emitiu imediatamente uma declaração formal sobre o incidente em seu site.

Natanz sofreu uma explosão misteriosa em julho que as autoridades mais tarde descreveram como sabotagem.

Israel, o arquiinimigo regional do Irã, é suspeito de realizar um ataque ali, bem como de lançar outros ataques, enquanto potências mundiais agora negociam com Teerã em Viena sobre seu acordo nuclear.

No sábado, o Irã anunciou que havia lançado uma cadeia de 164 centrífugas IR-6 na planta, injetando-as com o gás urânio e começando sua rápida rotação.

As autoridades também começaram a testar a centrífuga IR-9, que dizem que irá enriquecer urânio 50 vezes mais rápido do que as centrífugas de primeira geração do Irã, a IR-1. O acordo nuclear limitou o Irã a usar apenas IR-1s para enriquecimento.

Desde que o então presidente Donald Trump retirou os EUA do acordo nuclear com o Irã em 2018, Teerã abandonou todos os limites de seu estoque de urânio.

Ele agora enriquece até 20% de pureza, um passo técnico longe dos níveis de grau de armamento de 90%.

O Irã afirma que seu programa atômico é para fins pacíficos, mas teme que Teerã tenha a capacidade de fazer uma bomba e que as potências mundiais cheguem a um acordo com a República Islâmica em 2015.

O acordo suspendeu as sanções econômicas ao Irã em troca de limitar seu programa e permitir que os inspetores da Agência Internacional de Energia Atômica mantenham uma vigilância apertada sobre seu trabalho.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *