Principal diplomata dos EUA na Ucrânia à medida que as tensões com a Rússia aumentam


O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, se reunirá com seu colega russo na Suíça nesta semana, à medida que as tensões entre os EUA e a Rússia aumentam devido a uma possível invasão russa da Ucrânia.

Blinken chegou a Kiev para conversar com o presidente ucraniano, pois o governo Biden disse que está fornecendo 200 milhões de dólares adicionais (£ 147 milhões) em ajuda militar defensiva para o país.

Um alto funcionário do Departamento de Estado dos EUA disse que a assistência foi aprovada no final de dezembro como parte dos esforços americanos para ajudar a Ucrânia a se proteger, acrescentando: “Estamos comprometidos com a soberania e a integridade territorial da Ucrânia e continuaremos a fornecer à Ucrânia o apoio de que ela precisa”.

Blinken chegou a Kiev na quarta-feira, onde se encontrará com o líder ucraniano Volodymyr Zelenskyy antes de seguir para Berlim para conversar com aliados.

Na sexta-feira, ele se encontrará com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, em Genebra.

A viagem organizada às pressas visa mostrar o apoio dos EUA à Ucrânia e impressionar a Rússia sobre a necessidade de desescalada.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse: “Estamos agora em um estágio em que a Rússia pode, a qualquer momento, lançar um ataque na Ucrânia.

“E o que o secretário Blinken vai fazer é destacar muito claramente que há um caminho diplomático a seguir.”


Blinken, segundo da direita, é recebido pelo vice-ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Senik (AP)

Psaki disse que o presidente russo, Vladimir Putin, criou a crise ao reunir 100.000 soldados
as fronteiras da Ucrânia, cabendo a ele e aos russos decidir se invadem e depois “sofrem graves consequências econômicas”.

Os EUA não concluíram se Putin planeja invadir ou se a demonstração de força tem a intenção de espremer concessões de segurança sem um conflito real.

A Rússia rejeitou pedidos para retirar suas tropas, dizendo que tem o direito de implantar suas forças onde quiser em seu próprio território.

As reuniões de Blinken seguem negociações diplomáticas inconclusivas entre Moscou e o oeste da Europa na semana passada, que não conseguiram resolver divergências sobre a Ucrânia e outros assuntos de segurança.

Em vez disso, essas reuniões parecem ter aumentado os temores de uma invasão russa, e o governo Biden acusou a Rússia de preparar uma “operação de bandeira falsa” para usar como pretexto para intervenção. A Rússia negou furiosamente a acusação.

De Kiev, Blinken viajará para Berlim, onde se reunirá com seus colegas alemães, britânicos e franceses para discutir uma possível resposta a qualquer ação militar russa.

Em Genebra, na sexta-feira, Blinken testará Lavrov sobre o interesse da Rússia em uma “rampa diplomática” para a crise, disse um alto funcionário do Departamento de Estado dos EUA.

As “viagens e consultas de Blinken fazem parte dos esforços diplomáticos para diminuir a tensão causada pela escalada militar da Rússia e pela contínua agressão contra a Ucrânia”, disse o departamento de Estado dos EUA.


Um comboio de veículos blindados russos se move ao longo de uma estrada na Crimeia, retratado na terça-feira (AP)

O principal diplomata dos EUA se reunirá com Zelenskyy e com o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, na quarta-feira “para reforçar o compromisso dos Estados Unidos com a soberania e a integridade territorial da Ucrânia”, disseram autoridades norte-americanas.

“A viagem segue uma extensa diplomacia com nossos aliados e parceiros europeus sobre uma abordagem unida para lidar com a ameaça que a Rússia representa para a Ucrânia e nossos esforços conjuntos para incentivá-la a escolher a diplomacia e a desescalada no interesse da segurança e da estabilidade”, disse o Departamento de Estado. disse.

O diretor da CIA, William Burns, visitou Kiev na quarta-feira passada para consultar seus colegas ucranianos e discutir as avaliações atuais do risco para a Ucrânia, disse uma autoridade dos EUA.

Enquanto esteve lá, ele também discutiu a situação atual com Zelenskyy e os esforços para diminuir as tensões.

Blinken falou por telefone na terça-feira com Lavrov, discutindo as conversações e reuniões diplomáticas realizadas na semana passada.

O Departamento de Estado disse que Blinken “enfatizou a importância de continuar um caminho diplomático para diminuir as tensões” em torno da situação Rússia-Ucrânia e “reiterou o compromisso inabalável dos EUA” com a soberania e integridade territorial da Ucrânia.

Na segunda-feira, Lavrov rejeitou as alegações dos EUA de que seu país estava preparando um pretexto para invadir a Ucrânia.

Falando a repórteres, ele descartou a alegação americana como “total desinformação”.

Lavrov reafirmou que a Rússia espera uma resposta escrita esta semana dos EUA e seus aliados ao pedido de Moscou de garantias obrigatórias de que a Otan não abraçará a Ucrânia ou quaisquer outros países ex-soviéticos ou estacionará suas forças e armas lá.

Blinken sublinhou a Lavrov na terça-feira que qualquer discussão sobre segurança europeia “deve incluir aliados da Otan e parceiros europeus, incluindo a Ucrânia”, disse o Departamento de Estado dos EUA.


O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov (Ministério das Relações Exteriores da Rússia/AP)

O Ministério das Relações Exteriores russo disse que Lavrov enfatizou na ligação com Blinken os principais aspectos dos projetos de documentos russos que prevêem “garantias juridicamente vinculativas da segurança da Rússia, de acordo com o princípio da indivisibilidade da segurança aprovado por todos os países do euro-atlântico”.

Ele disse que Lavrov enfatizou a importância de Washington entregar rapidamente uma resposta por escrito às propostas russas.

Washington e seus aliados rejeitaram firmemente as exigências de Moscou durante as negociações Rússia-EUA da semana passada em Genebra e uma reunião relacionada à Otan-Rússia em Bruxelas.

A Casa Branca disse na sexta-feira que autoridades de inteligência dos EUA concluíram que a Rússia já havia enviado agentes para o leste da Ucrânia controlado pelos rebeldes para realizar atos de sabotagem lá e culpá-los na Ucrânia para criar um pretexto para uma possível invasão.


A ministra das Relações Exteriores alemã Annalena Baerbock (Ministério das Relações Exteriores da Rússia via AP)

Falando na segunda-feira em uma visita a Kiev, a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Baerbock, alertou que “qualquer escalada adicional acarretaria um alto preço para o regime russo – econômico, político e estratégico”, e enfatizou a necessidade de continuar as negociações.

“Estamos preparados para ter um diálogo sério com a Rússia, porque a diplomacia é a única maneira de neutralizar esta situação altamente perigosa no momento”, disse ela.

Em 2014, a Rússia tomou a Península da Criméia após a remoção do líder ucraniano amigo de Moscou e também apoiou uma insurgência separatista no leste da Ucrânia.

Mais de 14.000 pessoas foram mortas em quase oito anos de combates entre os rebeldes apoiados pela Rússia e as forças ucranianas no coração industrial do país, Donbas.

Putin alertou que Moscou tomará “medidas técnico-militares” não especificadas se o Ocidente impedir suas exigências.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.