Principais eventos que antecederam o confronto EUA-Irã


O ataque com mísseis do Irã contra duas bases americanas no Iraque, em resposta ao ataque dos EUA que matou seu principal general, é o culminar de quase dois anos de tensões crescentes desde que o presidente Donald Trump se retirou do acordo nuclear do Irã em 2015 com as potências mundiais.

Os dois países estão agora envolvidos em seu confronto mais sério desde a Revolução Islâmica de 1979 e a aquisição da embaixada dos EUA. Ambos os lados sinalizaram contenção após o ataque com mísseis, mas a ameaça de uma guerra total permanece.

Aqui está uma linha do tempo dos principais eventos que antecederam as hostilidades desta semana:

– 8 de maio de 2018: O presidente Donald Trump anuncia que os EUA estão retirando o acordo nuclear assinado por seu antecessor Barack Obama, que havia providenciado sanções em troca de restrições ao programa nuclear do Irã e intensificado o monitoramento da ONU. Nos próximos meses, os EUA intensificam sanções, exacerbando uma crise econômica no Irã.

– 5 de novembro de 2018: Os EUA impõem sanções duras à indústria de petróleo do Irã, a salvação de sua economia, enquanto o secretário de Estado Mike Pompeo anuncia uma lista de 12 exigências que deve atender para o alívio das sanções. O Irã rejeita as amplas demandas, que incluem o fim de seu apoio a grupos armados na região, a retirada da guerra civil síria e o programa de mísseis balísticos.

– 5 de maio de 2019: Os EUA anunciam o envio do grupo de ataque de porta-aviões USS Abraham Lincoln e uma força-tarefa de bombardeiros em resposta a “várias indicações e avisos preocupantes e escalatórios”, sem fornecer detalhes. Ameaça “força implacável” em resposta a qualquer ataque.

– 8 de maio de 2019: O Irã promete enriquecer seu estoque de urânio mais próximo dos níveis de armas se as potências mundiais não conseguirem negociar novos termos para seu acordo nuclear. A União Européia insta o Irã a respeitar o acordo nuclear e diz que planeja continuar negociando com o país. Trump diz que gostaria que os líderes do Irã “me ligassem”.

– 12 de maio de 2019: Os Emirados Árabes Unidos dizem que quatro navios comerciais na costa leste “foram submetidos a operações de sabotagem”. Trump alerta que, se Teerã fizer “qualquer coisa” na forma de um ataque, “eles sofrerão muito”.

– 13 de junho de 2019: Dois petroleiros perto do estreito estratégico de Hormuz são atingidos em um suposto assalto que deixa um em chamas e à deriva, quando 44 marinheiros são evacuados de ambos os navios e a marinha dos EUA corre para ajudar. Os EUA depois culpam o Irã pelo ataque, algo que Teerã nega.

– 20 de junho de 2019: A Guarda Revolucionária do Irã abate um drone de vigilância militar dos EUA. Trump diz que cancelou uma greve de retaliação planejada contra o Irã devido a preocupações com baixas.

– 1 de julho de 2019: O Irã segue com uma ameaça de exceder o limite estabelecido pelo acordo nuclear em seu estoque de urânio pouco enriquecido, usado para aplicações civis e não para armas nucleares.

<figcaption class='imgFCap'/>(Gráficos PA)“/><figcaption class=(Gráficos PA)

– 14 de setembro de 2019: Um ataque de drones às instalações petrolíferas sauditas interrompe temporariamente metade do suprimento de petróleo do maior produtor do mundo, causando um aumento nos preços. Os EUA dizem que o Irã realizou o ataque diretamente, chamando-o de “ato de guerra” contra a Arábia Saudita. O Irã nega envolvimento, enquanto os rebeldes houthis apoiados pelo Irã no Iêmen assumem a responsabilidade.

– outubro de 2019: Protestos maciços contra o governo surgem no Líbano e no Iraque. Embora os protestos sejam motivados principalmente por queixas econômicas, eles visam governos que estão intimamente aliados ao Irã. No Iraque, os manifestantes criticam abertamente a influência de Teerã e atacam as instalações diplomáticas iranianas.

– novembro de 2019: Protestos eclodem em cerca de 100 cidades no Irã depois que as autoridades aumentam o preço da gasolina. A escala dos protestos e a repressão resultante são difíceis de determinar, pois as autoridades desligaram a Internet por vários dias. A Anistia Internacional estima mais tarde que mais de 300 pessoas foram mortas.

– 27 de dezembro de 2019: Um empreiteiro americano é morto e várias tropas americanas e iraquianas são feridas em um ataque com foguete em uma base no norte do Iraque. Os EUA culpam o ataque ao Kataeb Hezbollah, uma das várias milícias apoiadas pelo Irã que operam no Iraque.

– 29 de dezembro de 2019: Os ataques aéreos americanos atingiram as posições do Kataeb Hezbollah no Iraque e na Síria, matando pelo menos 25 combatentes e fazendo votos de vingança. O Iraque chama as greves de “flagrante violação” de sua soberania.

Um homem acena uma bandeira do Iraque em frente à embaixada dos EUA em Bagdá (Nasser Nasser / AP)

– 31 de dezembro de 2019: Centenas de milicianos apoiados pelo Irã e seus apoiadores atravessam uma barreira externa da embaixada dos EUA em Bagdá e realizam dois dias de protestos violentos nos quais quebram janelas, atiram fogo e jogam pedras sobre as paredes internas. Os fuzileiros navais dos EUA que vigiam a instalação respondem com gás lacrimogêneo. Não há vítimas de nenhum dos lados.

– 3 de janeiro: Um ataque aéreo nos EUA perto do aeroporto internacional de Bagdá mata o general Qassem Soleimani, líder da força Quds de elite do Irã e o cérebro de suas intervenções militares regionais. Um comandante sênior de milícias apoiadas pelo Irã no Iraque também é morto no ataque. O Irã promete “retaliação severa”. Trump diz que ordenou o assassinato direcionado para evitar um grande ataque. Líderes do Congresso e aliados próximos dos EUA dizem que não foram consultados sobre a greve, que muitos temem que possa desencadear uma guerra.

– 5 de janeiro: O Irã anuncia que não cumprirá mais o acordo nuclear e o parlamento do Iraque realizará uma votação não vinculativa pedindo a expulsão de todas as forças americanas. Cerca de 5.200 tropas americanas estão baseadas no Iraque para ajudar a impedir o ressurgimento do chamado Estado Islâmico. Trump promete impor sanções ao Iraque se expulsar tropas americanas.

– 8 de janeiro: O Irã lança vários mísseis balísticos em duas bases no Iraque, abrigando tropas americanas no que diz ser uma retaliação pelo assassinato do general Soleimani. Não há relatos imediatos de vítimas dos EUA ou do Iraque. Trump tuitou que “Está tudo bem!”. O líder supremo do Irã diz que “demos um tapa na cara deles”, mas que “ação militar não é suficiente”.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.