Presidente da Turquia diz não à candidatura da Suécia e da Finlândia à Otan


O presidente da Turquia declarou categoricamente que seu país se oporá à adesão da Suécia e da Finlândia à Otan.

O presidente Recep Tayyip Erdogan disse a um grupo de jovens turcos em um vídeo divulgado na quinta-feira: “Dissemos aos nossos amigos relevantes que diríamos ‘não’ à entrada da Finlândia e da Suécia na Otan, e continuaremos nosso caminho assim”.

A aprovação da Turquia à candidatura da Finlândia e da Suécia para aderir à aliança militar ocidental é crucial porque a Otan toma decisões por consenso.

Cada um de seus 30 países membros tem o poder de vetar uma proposta de adesão.


(Gráficos PA)

Erdogan disse que a objeção da Turquia deriva de queixas com a Suécia – e em menor grau com a Finlândia – percebida como apoio ao banido Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e um grupo armado na Síria que a Turquia vê como uma extensão do PKK.

O conflito com o PKK matou dezenas de milhares de pessoas desde 1984.

A Turquia também acusa a Suécia e a Finlândia de abrigar os seguidores de Fethullah Gulen, um clérigo muçulmano que vive nos EUA e que o governo turco culpa por uma tentativa de golpe militar em 2016.

Uma gravação completa da conversa de Erdogan com os jovens para a Comemoração de Ataturk, Dia da Juventude e Esportes, feriado nacional que marca o início da Guerra da Independência da Turquia em 1919, deve ser divulgada na noite de quinta-feira.

Não ficou imediatamente claro quando a conversa ocorreu.

Nas declarações divulgadas na quinta-feira, Erdogan acusou os dois possíveis membros da Otan e especialmente a Suécia de serem “um foco de terror, lar do terror”.

Ele alegou que seus vínculos com organizações terroristas significavam que eles não deveriam fazer parte da aliança transatlântica.

Autoridades turcas, incluindo o presidente, também apontaram as restrições de armas à Turquia como uma razão para a oposição de Ancara aos dois países se tornarem parte da Otan.

Vários países europeus, incluindo Suécia e Finlândia, restringiram as exportações de armas para a Turquia após a operação transfronteiriça do país no nordeste da Síria em 2019 com o objetivo declarado de limpar a área de fronteira de militantes curdos.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *