Presidente da Coreia do Sul pede paz com Norte em discurso de despedida


O presidente da Coreia do Sul defendeu sua política de engajar a Coreia do Norte, dizendo em seu discurso de despedida que espera que os esforços para restaurar a paz e a desnuclearização na Península Coreana continuem.

Moon Jae-in deixa o cargo na terça-feira após um único mandato de cinco anos, entregando o poder e as responsabilidades presidenciais ao conservador Yoon Suk Yeol, que o acusou de ser “subserviente” à Coreia do Norte e prometeu adotar uma postura mais dura em relação à Coreia do Norte. programa nuclear.

“A paz é a condição para nossa sobrevivência e prosperidade. Espero sinceramente que os esforços para retomar o diálogo entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte e estabelecer a desnuclearização e a paz continuem”, disse Moon no discurso televisionado nacionalmente.

Quando Moon assumiu o cargo em 2017, ele encontrou pouco espaço para manobrar diplomaticamente por causa da tórrida corrida de testes nucleares e de mísseis da Coreia do Norte.

Mas ele acabou aproveitando a oportunidade para se reconciliar com a Coreia do Norte quando seu líder Kim Jong Un estendeu a mão abruptamente para Seul e Washington no início de 2018 para conversas sobre o futuro de seu arsenal nuclear avançado.

Kim primeiro enviou sua poderosa irmã à Coreia do Sul para conversar com Moon e deixá-la participar da cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Inverno na Coreia do Sul em fevereiro de 2018.

Os dois líderes coreanos se encontraram três vezes para cúpulas no final de 2018, tomando medidas para diminuir as tensões na fronteira e permitindo raros programas de intercâmbio envolvendo cantores, times de basquete e outros. Moon também pressionou fortemente para intermediar a diplomacia nuclear agora paralisada entre Kim e o então presidente dos EUA, Donald Trump.

Mas depois que a diplomacia norte-americana entrou em colapso em 2019, Moon enfrentou críticas de que sua política de engajamento só ajudou a Coreia do Norte a ganhar tempo e aperfeiçoar seu programa de armas diante das sanções lideradas pelos EUA e da campanha de pressão sobre o Norte.

Pyongyang acabou pedindo a Moon que não interferisse em suas negociações com os Estados Unidos e lançou insultos grosseiros sobre ele.

Em seu último discurso, Moon afirmou que seu governo ajudou a diminuir o perigo de guerra na península coreana e trouxe esperanças de paz por meio da diplomacia.

“A razão pela qual não conseguimos avançar mais não foi porque nos faltou esforços e determinação para fazer isso. Havia uma barreira que não podemos superar apenas com nossa determinação. É uma barreira que devemos superar”, disse Moon, sem esclarecer qual era o obstáculo.


O líder norte-coreano Kim Jong Un (Agência de Notícias Central Coreana/Serviço de Notícias da Coreia via AP, Arquivo)

No mês passado, Moon e Kim trocaram suas cartas oficiais finais expressando esperança por melhores relações bilaterais.

Mas alguns especialistas dizem que a maneira como a Coreia do Norte descreveu as cartas, nas quais destacou a promessa de Moon de continuar fazendo campanha pela reunificação coreana mesmo depois de deixar o cargo, reflete sua intenção de dividir a opinião pública na Coreia do Sul e desencorajar o novo governo de Seul de adotar uma linha dura. em direção a Pyongyang.

Durante um enorme desfile militar em Pyongyang três dias após o anúncio da troca de cartas, Kim prometeu acelerar o desenvolvimento de suas armas nucleares e ameaçou usá-las proativamente se provocado. Nos últimos meses, os militares de Kim também testaram o lançamento de uma série de mísseis contra a Coreia do Sul, o Japão ou os Estados Unidos.

Alguns especialistas dizem que Kim pretende abalar o novo governo de Yoon enquanto moderniza seu arsenal de armas e pressiona o governo Biden a relaxar as sanções.

Autoridades sul-coreanas dizem que a Coreia do Norte também parece estar se preparando para seu primeiro teste nuclear desde 2017.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.