Por que a Tencent está vendendo sua participação de US$ 24 bilhões na Meituan


Por que a Tencent está vendendo sua participação de US$ 24 bilhões na Meituan
Chinade Tencent Holdings planeja vender a totalidade ou a maior parte de sua participação de US$ 24 bilhões na empresa de entrega de alimentos Meituan para aplacar os reguladores domésticos e monetizar um investimento de oito anos, disseram quatro fontes com conhecimento do assunto.

TencentA , que detém 17% da Meituan, tem se envolvido com consultores financeiros nos últimos meses para descobrir como executar uma venda potencialmente grande de sua participação na Meituan, disseram três das fontes.



A venda planejada ocorre no contexto da ampla repressão regulatória da China desde o final de 2020 contra pesos pesados ​​da tecnologia que visavam a construção de seu império por meio de aquisições de participações e concentração doméstica de poder de mercado.

Essa repressão, que levou a bilhões de dólares em multas para os gigantes de tecnologia chineses, está reformulando as empresas, forçando-as a fazer desinvestimentos de vários bilhões de dólares. A Tencent, por exemplo, está saindo de um punhado de negócios agora e se voltando para o mercado global de jogos.

O proprietário do aplicativo de mensagens número 1 da China, o WeChat, investiu pela primeira vez na Dianping, rival da Meituan, em 2014, que se fundiu com a Meituan um ano depois para formar a empresa atual.

Com base na capitalização de mercado da Meituan na segunda-feira, a participação de 17% da Tencent vale US$ 24,3 bilhões.

A Tencent pretende iniciar a venda ainda este ano se as condições do mercado forem favoráveis, disseram duas das fontes.

A empresa vem reduzindo as participações em empresas do portfólio em parte para apaziguar os reguladores chineses e em parte para registrar grandes lucros nessas apostas, disseram três das fontes. O valor de suas participações em empresas listadas, excluindo suas subsidiárias, caiu para apenas US$ 89 bilhões no final de março, ante US$ 201 bilhões no mesmo período do ano passado, de acordo com seus relatórios trimestrais.

“Aparentemente, os reguladores não estão felizes com o fato de gigantes da tecnologia como a Tencent investirem e até se tornarem um grande apoiador de várias empresas de tecnologia que administram negócios intimamente relacionados à subsistência das pessoas no país”, disse uma das fontes.

As ações da Meituan, listada em Hong Kong, caíram mais de 10%, a maior queda percentual diária em cinco meses, após o relatório da Reuters. As ações da Tencent caíram mais de 2% nas negociações da tarde de terça-feira, antes de se recuperarem para subir 1%.

A Tencent se recusou a comentar. Meituan não respondeu a um pedido de comentário.

Todas as fontes se recusaram a ser identificadas devido a restrições de confidencialidade.

A Tencent anunciou em dezembro o desinvestimento de cerca de 86% de sua participação na JD.com Inc, no valor de US$ 16,4 bilhões, enfraquecendo seus laços com a segunda maior empresa de comércio eletrônico da China.

Um mês depois, levantou US$ 3 bilhões com a venda de uma participação de 2,6% na empresa de jogos e comércio eletrônico SEA Ltd, com sede em Cingapura, o que foi visto como um movimento para monetizar seu investimento enquanto ajustava a estratégia de negócios.

A Tencent não atribuiu o desinvestimento das participações da JD.com e da SEA na repressão regulatória.

A venda da participação da Meituan provavelmente será executada por meio de uma negociação em bloco no mercado público que normalmente leva um ou dois dias desde a comercialização até a conclusão, de acordo com duas das fontes.

A venda planejada da participação da Meituan via negociação em bloco seria considerável e ocorre após a venda de 2% da participação da Tencent pelo investidor de tecnologia holandês Prosus no ano passado por US $ 14,7 bilhões, que contava como a maior negociação em bloco do mundo.

A negociação em bloco seria uma maneira rápida e tranquila para a Tencent vender as ações, acrescentaram, em comparação com distribuí-las como dividendos ou negociar com um comprador privado.

DIREÇÃO REGULATÓRIA

A repressão regulatória na China veio depois de anos de uma abordagem de laissez-faire que impulsionou o crescimento e a realização de negócios a uma velocidade vertiginosa.

Para entrar na linha, a Tencent fez dos desinvestimentos em empresas do portfólio um foco para sua equipe de negócios neste ano e no próximo, disse uma das fontes.

Analistas esperavam que a Tencent alienasse participações em outras empresas do portfólio após a alienação das ações da JD.com e da SEA.

Analistas do Citi disseram em um relatório em janeiro que acreditavam que a Tencent avaliaria e realocaria ainda mais o financiamento de investimentos mais estabelecidos para empreendimentos de tecnologia mais novos para aproveitar a oportunidade de crescimento da internet industrial e se alinhar com suas iniciativas de sustentabilidade social.

Além da Meituan, a Tencent também detém participações na empresa de comércio eletrônico Pinduoduo Inc, na plataforma de vídeo Kuaishou, na campeã de carona Didi, na montadora Tesla e serviço de streaming Spotify.

A repressão causou dor na Tencent, assim como em outras.


A Tencent divulgou em maio que seu lucro trimestral caiu pela metade em relação ao ano anterior e as receitas estagnaram, culpando os cortes nos gastos com publicidade de empresas de consumo, comércio eletrônico e viagens pelo pior desempenho desde que abriu o capital em 2004.

No mês passado, o regulador de mercado da China impôs as últimas multas à Tencent e ao Alibaba, bem como a uma série de outras empresas por não cumprirem as regras antimonopólio sobre a divulgação de transações.

O regulador também bloqueou a proposta de fusão de US$ 5,3 bilhões da Tencent dos dois maiores sites de streaming de videogame do país, DouYu e Huya, no ano passado por motivos antitruste.

FacebookTwitterLinkedin




Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.