Pompeo diz que as políticas da China sobre os muçulmanos em Xinjiang equivalem a “genocídio”

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, impôs novas sanções à China e disse que suas políticas para os muçulmanos e as minorias étnicas em Xinjiang constituem um “genocídio”.

O Sr. Pompeo fez a determinação apenas 24 horas antes de o presidente eleito Joe Biden tomar posse. Não houve resposta imediata da nova equipe de Biden, embora vários membros tenham simpatizado com tal designação no passado.

Muitos dos acusados ​​de ter participado da repressão em Xinjiang já estão sob sanções dos EUA, e a ação de terça-feira é a mais recente de uma série de medidas que o atual governo Trump tomou contra a China.

Desde o ano passado, o governo tem aumentado continuamente a pressão sobre Pequim, impondo sanções a vários funcionários e empresas por suas atividades em Taiwan, Tibete, Hong Kong e no Mar da China Meridional.

Essas penas se tornaram mais severas desde o início do ano passado, quando o presidente Donald Trump e Pompeo começaram a acusar a China de tentar encobrir a pandemia do coronavírus.

No sábado, Pompeo suspendeu as restrições aos contatos diplomáticos dos EUA com autoridades taiwanesas, provocando uma severa repreensão da China, que considera a ilha uma província renegada.

Cinco dias atrás, o governo anunciou que suspenderia as importações de algodão e tomate de Xinjiang, com funcionários da Alfândega e da Proteção de Fronteiras dizendo que bloqueariam produtos suspeitos de serem produzidos com trabalho forçado.

Presidente cessante dos EUA, Donald Trump (Steve Parsons / PA)

Xinjiang é um grande fornecedor global de algodão, portanto, o pedido pode ter efeitos significativos no comércio internacional. O governo Trump já bloqueou as importações de empresas individuais ligadas ao trabalho forçado na região, e os EUA impuseram sanções a funcionários do Partido Comunista com papéis de destaque na campanha.

A China prendeu mais de um milhão de pessoas, incluindo uigures e outros grupos étnicos principalmente muçulmanos, em uma vasta rede de campos de concentração, segundo autoridades americanas e grupos de direitos humanos.

Pessoas foram submetidas a tortura, esterilização e doutrinação política, além de trabalho forçado como parte de uma campanha de assimilação em uma região cujos habitantes são étnica e culturalmente distintos da maioria chinesa Han.

A China negou todas as acusações, mas o trabalho forçado uigur foi relacionado por reportagens da The Associated Press a vários produtos importados para os Estados Unidos, incluindo roupas e produtos eletrônicos, como câmeras e monitores de computador.

A China afirma que suas políticas em Xinjiang visam apenas promover o desenvolvimento econômico e social na região e erradicar o radicalismo. Também rejeita as críticas ao que considera seus assuntos internos.




Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *