Polícia holandesa confronto com manifestantes de bloqueio em Amsterdã e Eindhoven

Manifestantes atearam fogo na cidade holandesa de Eindhoven e atiraram pedras na polícia em uma manifestação proibida contra as medidas de confinamento do coronavírus, enquanto policiais responderam com gás lacrimogêneo e canhões de água, prendendo pelo menos 30 pessoas.

A polícia na capital, Amsterdã, também usou um canhão de água para dispersar uma manifestação anti-bloqueio proibida em uma grande praça cercada por museus. O vídeo mostrou a polícia pulverizando pessoas agrupadas contra uma parede do Museu Van Gogh.

Foi a pior violência a atingir a Holanda desde o início da pandemia e o segundo domingo consecutivo em que a polícia entrou em confronto com manifestantes em Amsterdã.

O país está em um bloqueio difícil desde meados de dezembro, que deve continuar pelo menos até 9 de fevereiro.

Em Eindhoven, 130 quilômetros ao sul de Amsterdã, uma praça central perto da principal estação ferroviária estava cheia de pedras, bicicletas e vidros quebrados.

Acredita-se que a multidão de centenas de manifestantes inclua simpatizantes do grupo anti-imigrante Pegida, que tentou se manifestar na cidade.

Uma instalação de testes queimada em Urk (Peter Dejong / AP)

A polícia de Eindhoven disse ter feito pelo menos 30 prisões e alertou as pessoas para ficarem longe do centro da cidade. Os trens de ida e volta para a estação foram parados e a mídia local relatou saques na estação. Não houve relatos imediatos de feridos.

A violência aconteceu um dia depois que manifestantes anti-toque de recolher incendiaram uma instalação de testes de coronavírus na vila de pescadores holandesa de Urk.

Vídeo de Urk, 50 milhas a nordeste de Amsterdã, mostrou jovens invadindo a instalação de testes de coronavírus perto do porto da vila antes de ser incendiada na noite de sábado.

O bloqueio foi imposto pelo governo para conter a disseminação da variante mais transmissível do coronavírus.

A polícia disse ter multado mais de 3.600 pessoas em todo o país por violar o toque de recolher que funcionava das 21h de sábado às 4h30 de domingo, e prendeu 25 pessoas por violar o toque de recolher ou por violência.

A polícia e as autoridades municipais emitiram um comunicado no domingo expressando sua indignação com os tumultos, “desde o lançamento de fogos de artifício e pedras até a destruição de carros da polícia e o incêndio do local de teste”.

“Isso não é apenas inaceitável, mas também um tapa na cara, especialmente para a equipe da autoridade de saúde local que faz tudo o que pode no centro de testes para ajudar as pessoas de Urk”, disseram as autoridades locais, acrescentando que o toque de recolher seria estritamente aplicada durante o resto da semana.

No domingo, tudo o que restou do prédio de testes portátil foi uma carcaça queimada.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *