Pó de freio “tão ruim quanto a fumaça do escapamento do diesel para o sistema imunológico”

Partículas de metal liberadas por pastilhas de freio desgastadas podem ter os mesmos efeitos prejudiciais para o sistema imunológico que os gases de escape do diesel, de acordo com uma nova pesquisa.

Testes de laboratório mostraram que a poeira do componente pode causar inflamação nos pulmões e reduzir a capacidade das células imunológicas de matar bactérias, aumentando o risco de infecções respiratórias.

Os efeitos das partículas da poluição atmosférica das emissões de diesel foram bem documentados, com estudos que ligam os gases de escape ao câncer de pulmão, várias doenças respiratórias e diminuição da função pulmonar.

Uma equipe do King’s College London agora acredita que a poeira do freio pode estar contribuindo não apenas para tosses e resfriados intermináveis ​​entre os moradores da cidade, mas também para doenças mais graves, como pneumonia ou bronquite.

O Dr. Ian Mudway, que liderou a pesquisa no MRC Center for Environment and Health do King’s College London, disse: “Neste momento, o foco nas emissões de escapamentos de diesel é completamente justificado pela literatura científica, mas não devemos esquecer, ou descontar, a importância de outros componentes, como metais de abrasão mecânica, principalmente de freios.

“Não existe um veículo com emissão zero e, com a entrada em vigor de regulamentos para reduzir as emissões de escape, é provável que a contribuição dessas fontes se torne mais significativa”.

Estima-se que as partículas de metal resultantes do desgaste dos freios sejam responsáveis ​​por até um quinto das partículas finas de poluição atmosférica, conhecidas como PM2.5, nas margens das estradas.

Para testar os efeitos das partículas das pastilhas de freio nos pulmões humanos, a equipe coletou poeira de uma fábrica de testes de pastilhas de freio e a expôs a um grupo de células imunológicas, conhecidas como macrófagos, no laboratório.

Os macrófagos são o sistema de defesa da linha de frente dos pulmões, que matam as bactérias, envolvendo e digerindo-as.

Quando expostos a partículas do escapamento de diesel e pó de freio, os pesquisadores descobriram que a capacidade dos macrófagos de absorver e destruir bactérias foi reduzida.

Além disso, a equipe observou que partículas de ambas as fontes faziam com que os macrófagos produzissem moléculas no sistema imunológico que causam inflamação.

A poeira dos freios pode estar contribuindo para o que chamo de “garganta de Londres” – o constante sentimento de sapo e a série de tosses e resfriados que os moradores da cidade enfrentam – e infecções mais graves, como pneumonia ou bronquite, que já sabemos ser influenciadas pela exposição ao escapamento de diesel

A Dra. Liza Selley, que conduziu a pesquisa no MRC Center for Environment and Health no King’s College London e no Imperial College London, disse: “A fumaça de diesel e o pó de freio parecem ser tão ruins quanto o outro em termos de toxicidade em macrófagos.

“Os macrófagos protegem o pulmão de micróbios e infecções e regulam a inflamação, mas descobrimos que, quando expostos ao pó dos freios, não conseguem mais absorver bactérias.

“O que preocupa é que isso significa que a poeira do freio pode estar contribuindo para o que eu chamo de ‘garganta de Londres’ – o constante sentimento de sapo e a série de tosses e resfriados que os moradores da cidade suportam – e infecções mais graves, como pneumonia ou bronquite, que já sabemos ser influenciadas pela exposição ao escapamento do diesel. ”

Os cientistas acreditam que o vanádio, um metal presente na poeira dos freios e no escapamento do diesel, pode ser responsável pelos efeitos nocivos nas células imunológicas.

A equipe afirma que são necessários mais estudos para entender mais sobre os efeitos do pó de freio na saúde humana.

A pesquisa foi financiada pelo Conselho de Pesquisa Médica e publicada na revista Metallomics.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *