Otan pede que Síria e Rússia parem ataques aéreos na Síria


A Otan pediu à Síria e à Rússia que interrompam seus ataques aéreos após o assassinato de 33 soldados turcos na Síria.

O alerta ocorre quando a Grécia reforça sua segurança na fronteira, com dezenas de migrantes reunidos na fronteira com a Turquia buscando entrada na Europa.

A União Européia alertou que os combates no norte da Síria podem degenerar em guerra aberta e que o bloco de 27 nações está pronto para proteger seus interesses de segurança.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse: “Os aliados condenam os contínuos ataques aéreos indiscriminados pelo regime sírio e pela Rússia na província de Idlib. Exorto-os a interromper sua ofensiva, a respeitar o direito internacional e a apoiar os esforços da ONU por uma solução pacífica.

Esta situação perigosa deve ser reduzida e pedimos um retorno imediato ao cessar-fogo de 2018 para evitar o agravamento da horrível situação humanitária na região.

Os 28 aliados da Turquia também expressaram suas condolências pelas mortes, mas nenhum apoio adicional da Otan foi oferecido durante as conversações de emergência, presididas por Stoltenberg, entre os embaixadores da Otan.

Além de fornecer alguma vigilância aérea sobre a Síria, a Otan não desempenha um papel direto no país devastado pelo conflito, mas seus membros estão profundamente divididos pelas ações da Turquia no país, e os aliados europeus estão preocupados com a chegada de uma nova onda de refugiados.

O ataque aéreo das forças do governo sírio marca o maior número de mortos para a Turquia em um único dia desde que interveio na Síria em 2016. É uma grande escalada em um conflito entre as forças sírias apoiadas pela Turquia e pela Rússia que ocorre desde o início de fevereiro.

Pelo menos 54 tropas turcas foram mortas em Idlib nesse período.

Omer Celik, porta-voz do partido do presidente Recep Tayyip Erdogan, disse que a Turquia “não é mais capaz de reter refugiados” após o ataque sírio – reiterando um aviso de longa data de Erdogan de que seu país não poderia lidar com a chegada de mais pessoas fugindo o conflito.

A Turquia abriga cerca de 3,6 milhões de sírios e, no âmbito de um acordo de 2016 com a União Europeia, concordou em intensificar os esforços para interromper o fluxo de refugiados para a Europa. Desde então, Erdogan ameaçou repetidamente “abrir os portões” em várias disputas com estados europeus.

A agência de notícias DHA informou que cerca de 300 sírios, iranianos, iraquianos, marroquinos e paquistaneses estavam reunidos na fronteira com a Grécia, enquanto outros se reuniam em praias em frente às ilhas gregas na costa oeste da Turquia.

Um policial grego disse que dezenas de pessoas se reuniram no lado turco da fronteira terrestre na região de Evros, na Grécia, gritando “abra as fronteiras”. A polícia grega e as patrulhas militares de fronteira foram destacadas no lado grego para impedir que alguém tentasse atravessar sem autorização.

Uma autoridade do governo disse que a Grécia reforçou a segurança nas fronteiras “na maior medida possível … em terra e no mar” e que Atenas está em constante contato com a UE e a Otan após os desenvolvimentos em Idlib.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.