Os zangões “podem reconhecer objetos no escuro usando a sensação do tato”


Como os seres humanos, os abelhões reconhecem objetos no escuro usando seu senso de toque.

Os cientistas demonstraram que os insetos são capazes de armazenar informações de tal maneira que elas podem ser recuperadas usando diferentes sentidos, uma habilidade cognitiva complexa conhecida como reconhecimento de objetos entre modos.

Os seres humanos usam essa capacidade de reconhecer algo que viram antes, como, por exemplo, encontrar um conjunto de chaves pescando no fundo de uma mochila.

Além de abelhas e seres humanos, o reconhecimento de objetos entre modos foi mostrado em primatas, ratos, golfinhos e peixes elétricos.

Selene Gutierrez Al-Khudhairy, aluna de doutorado da Universidade de York e coautora do estudo, disse: “Este é um feito incrível quando se considera o tamanho minúsculo do cérebro de uma abelha”.

O professor Lars Chittka, chefe do laboratório da Universidade Queen Mary de Londres, onde o estudo foi realizado, acrescentou: “Sabemos há muito tempo que as abelhas podem se lembrar das formas das flores.

<figcaption class='imgFCap'/>Uma abelha aprendendo a associar uma recompensa a uma forma específica à luz. Uma tampa impedia que as abelhas toquem na forma (Lars Chittka / Universidade Queen Mary de Londres)“/><figcaption class=Uma abelha aprendendo a associar uma recompensa a uma forma específica à luz. Uma tampa impedia que as abelhas toquem na forma (Lars Chittka / Universidade Queen Mary de Londres)

“Nosso novo trabalho indica que algo está acontecendo dentro da mente das abelhas que é totalmente diferente de uma máquina – que as abelhas podem evocar imagens mentais de formas”.

Os pesquisadores treinaram 44 abelhas para reconhecer dois objetos de formas diferentes, cubos e esferas, usando toque ou visão.

Algumas das formas continham uma solução amarga de quinino, enquanto as outras alojavam água com açúcar.

Os abelhões foram treinados para diferenciar as duas formas, sem tocá-las, fazendo-os reconhecer qual forma continha a recompensadora solução de açúcar.

Quando testadas no escuro, as abelhas usavam seu senso de toque para explorar o objeto preferido que continha água com açúcar.

<figcaption class='imgFCap'/>Uma abelha resolvendo a tarefa de reconhecer a mesma forma na escuridão usando o sentido do tato (Lars Chittka / Universidade Queen Mary de Londres)“/><figcaption class=Uma abelha resolvendo a tarefa de reconhecer a mesma forma na escuridão usando o sentido do tato (Lars Chittka / Universidade Queen Mary de Londres)

Depois que as abelhas aprenderam a encontrar uma forma particular no escuro, elas foram testadas novamente na luz. Desta vez, os insetos usaram seu senso de toque para explorar sua forma preferida.

Os pesquisadores disseram que os resultados mostraram que as abelhas foram capazes de reconhecer com sucesso os objetos de modo cruzado nas duas direções, visão a toque e toque a visão.

A Dra. Cwyn Solvi, principal autora do artigo, sediada na Universidade Queen Mary de Londres e atualmente na Universidade Macquarie em Sydney, disse: “Os resultados de nosso estudo mostram que os abelhões não processam seus sentidos como canais separados – eles vêm juntos como algum tipo de representação unificada. ”

Mas ela acrescentou: “Isso não significa que as abelhas experimentam o mundo da mesma maneira que nós, mas mostra que há mais coisas acontecendo em suas cabeças do que jamais lhes damos crédito”.

Os resultados são publicados na revista Science.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.