Os EUA elegeram de volta ao Conselho de Direitos Humanos da ONU que Trump saiu


A Assembleia Geral da ONU elegeu na quinta-feira os Estados Unidos para o Conselho de Direitos Humanos com sede em Genebra, mais de três anos depois que a administração Trump renunciou ao órgão de 47 membros por causa do que chamou de preconceito crônico contra Israel e falta de reformas.

Os Estados Unidos, que não tiveram oposição, receberam 168 votos na votação secreta da Assembleia Geral de 193 membros. Ele começa um mandato de três anos em 1º de janeiro, colocando Washington contra Pequim e Moscou, que começaram os mandatos do conselho este ano.

O presidente dos EUA, Joe Biden, assumiu o cargo em janeiro prometendo que os direitos humanos seriam o centro de sua política externa e que seu governo não se esquivou de criticar a China por causa de Hong Kong, Xinjiang e Taiwan e de criticar a Rússia.

Mas uma análise da Reuters do histórico do governo Biden até agora mostrou que as preocupações com os direitos humanos em outros países foram várias vezes deixadas de lado em favor das prioridades de segurança nacional e do envolvimento com potências estrangeiras.

“Os Estados Unidos terão a oportunidade de demonstrar a seriedade do governo Biden em tornar os direitos humanos o centro de suas políticas interna e externa”, disse o diretor da Human Rights Watch na ONU, Louis Charbonneau. “Com muitos erros cometidos até agora, eles deveriam usar seu tempo no conselho para promover os direitos humanos entre amigos e inimigos.”

A embaixadora dos EUA nas Nações Unidas em Nova York, Linda Thomas-Greenfield, disse que Washington se concentraria inicialmente em “o que podemos realizar em situações de extrema necessidade, como no Afeganistão, Birmânia, China, Etiópia, Síria e Iêmen”.

“Nossos objetivos são claros: ficar com os defensores dos direitos humanos e falar contra as violações e abusos dos direitos humanos”, disse ela em um comunicado, acrescentando que os Estados Unidos também “se oporiam à atenção desproporcional do conselho a Israel”.

O senador norte-americano Jim Risch, o principal republicano no Comitê de Relações Exteriores do Senado, criticou a decisão de Biden, um democrata, de se juntar ao que chamou de um “órgão defeituoso”, citando o foco do órgão em Israel.

“Os Estados Unidos não deveriam emprestar sua legitimidade a um órgão que inclui perpetradores de abusos de direitos humanos como China, Venezuela e Cuba”, disse ele em um comunicado.

Os candidatos ao Conselho de Direitos Humanos são eleitos em grupos geográficos para garantir uma representação uniforme. Não houve corridas competitivas na quinta-feira para eleger 13 novos membros e reeleger cinco membros. Os membros não podem servir mais de dois mandatos consecutivos.

A Assembleia Geral também elegeu Cazaquistão, Gâmbia, Benin, Catar, Emirados Árabes Unidos, Malásia, Paraguai, Honduras, Luxemburgo, Finlândia, Montenegro e Lituânia e reelegeu Camarões, Eritreia, Somália, Índia e Argentina na quinta-feira.

Os Estados Unidos receberam o segundo menor número de votos, derrotando apenas a Eritreia, que obteve 144 votos.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *