ONU prevê queda de crescimento econômico global para 1,9%


As Nações Unidas previram que o crescimento econômico global cairá significativamente para 1,9% este ano como resultado da crise alimentar e energética provocada pela guerra na Ucrânia, o impacto contínuo da pandemia de Covid-19, a inflação persistentemente alta e o clima emergência.

No Reino Unido, o PIB deverá contrair 0,8% em 2023.

Pintando uma perspectiva econômica sombria e incerta, o Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da ONU disse que a atual desaceleração econômica global “afeta países desenvolvidos e em desenvolvimento, com muitos enfrentando riscos de recessão em 2023”.

“Uma desaceleração ampla e severa da economia global se aproxima em meio a inflação alta, aperto monetário agressivo e incertezas intensificadas”, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, no prefácio do relatório de 178 páginas.

O relatório disse que a previsão de crescimento econômico de 1,9% para este ano – abaixo dos 3% estimados em 2022 – é uma das taxas de crescimento mais baixas das últimas décadas.

Mas projeta uma recuperação moderada para 2,7% em 2024 se a inflação diminuir gradualmente e os ventos econômicos contrários começarem a diminuir.

Em seu relatório anual no início deste mês, o Banco Mundial, que empresta dinheiro aos países mais pobres para projetos de desenvolvimento, cortou sua previsão de crescimento quase pela metade, de sua projeção anterior de 3% para apenas 1,7%.

O Fundo Monetário Internacional (FMI), que concede empréstimos a países carentes, projetou em outubro que o crescimento global diminuiria de 6% em 2021 para 3,2% em 2022 e 2,7% em 2023.

A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, disse no Fórum Econômico Mundial da semana passada em Davos que 2023 será um ano difícil, mas manteve a projeção e disse “não esperamos uma recessão global”.

Segundo o relatório da ONU, este ano “o ímpeto de crescimento enfraqueceu nos Estados Unidos, na União Europeia e em outras economias desenvolvidas, afetando negativamente o restante da economia mundial”.

Nos Estados Unidos, o PIB deverá crescer apenas 0,4% em 2023, após um crescimento estimado de 1,8% em 2022, disse a ONU.

E muitos países europeus devem experimentar “uma leve recessão”, com a guerra na Ucrânia entrando em seu segundo ano em 14 de fevereiro, altos custos de energia e inflação e condições financeiras mais rígidas deprimindo o consumo e o investimento das famílias.

As economias dos 27 países da União Europeia devem crescer apenas 0,2% em 2023, abaixo dos 3,3% estimados em 2022, disse a ONU.

Com o governo da China abandonando sua política de Covid-zero no final do ano passado e flexibilizando as políticas monetária e fiscal, a ONU prevê que sua economia, que cresceu apenas 3% em 2022, acelerará para 4,8% este ano.

“Mas espera-se que a reabertura da economia seja acidentada”, disse a ONU. “O crescimento provavelmente permanecerá bem abaixo da taxa pré-pandêmica de 6-6,5%.”

O relatório disse que a economia do Japão deve estar entre as de melhor desempenho entre os países desenvolvidos este ano, com previsão de crescimento do PIB de 1,5 por cento, ligeiramente abaixo do crescimento estimado do ano passado de 1,6 por cento.

Em todo o leste da Ásia, a ONU disse que a recuperação econômica continua frágil, embora o crescimento do PIB em 2023 deva chegar a 4,4%, acima dos 3,2% do ano passado, e mais forte do que em outras regiões.

No sul da Ásia, a ONU prevê que o crescimento médio do PIB diminuirá de 5,6% no ano passado para 4,8% este ano como resultado dos altos preços dos alimentos e da energia, “aperto monetário e vulnerabilidades fiscais”.

Mas o crescimento na Índia, que deve ultrapassar a China este ano como a nação mais populosa do mundo, deve permanecer forte em 5,8%, um pouco abaixo dos 6,4% estimados em 2022, “à medida que as taxas de juros mais altas e uma desaceleração global pesam nos investimentos e nas exportações”, diz o relatório.

Na Ásia Ocidental, os países produtores de petróleo estão se beneficiando dos altos preços e do aumento da produção, bem como do renascimento do turismo, disse a ONU.

Mas as economias que não são produtoras de petróleo permanecem fracas “dado o acesso restrito ao financiamento internacional e as severas restrições fiscais”, e o crescimento médio na região deve desacelerar de estimados 6,4% em 2022 para 3,5% este ano.

A ONU disse que a África foi atingida “por vários choques, incluindo uma demanda mais fraca dos principais parceiros comerciais (especialmente China e Europa), um aumento acentuado nos preços da energia e dos alimentos, aumento rápido dos custos de empréstimos e eventos climáticos adversos”.

Um dos resultados, disse, é o aumento dos encargos do serviço da dívida, que forçaram um número crescente de governos africanos a buscar apoio bilateral e multilateral.

A ONU projetou que o crescimento econômico na África diminuiria de uma estimativa de 4,1% em 2022 para 3,8% neste ano.

Na América Latina e no Caribe, a ONU disse que as perspectivas “permanecem desafiadoras”, citando as perspectivas do mercado de trabalho, inflação persistentemente alta e outras questões.

Ele prevê que o crescimento regional diminuirá para apenas 1,4% em 2023, de uma expansão estimada de 3,8% em 2022.

“As maiores economias da região – Argentina, Brasil e México – devem crescer a taxas muito baixas devido ao aperto das condições financeiras, enfraquecimento das exportações e vulnerabilidades domésticas”, disse a ONU.

Para os países menos desenvolvidos do mundo, a ONU disse que o crescimento é projetado em 4,4% este ano, aproximadamente o mesmo do ano passado, mas significativamente abaixo da meta da ONU de 7% até 2030.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *