ONU e EUA pedem investigação sobre agitação mortal no Uzbequistão | Noticias do mundo


A chefe de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, e os Estados Unidos pediram na terça-feira uma investigação rápida sobre os confrontos mortais em protestos em massa no Uzbequistão.

Autoridades do Uzbequistão disseram na segunda-feira que 18 pessoas morreram em confrontos na região autônoma de Karakalpakstan na sexta-feira, depois que manifestações eclodiram sobre mudanças constitucionais planejadas que afetam o status do território.

A agitação, colocando manifestantes contra as forças de segurança, representou o desafio mais significativo até o momento ao governo do presidente Shavkat Mirziyoyev desde que ele assumiu o cargo de primeiro-ministro em 2016, quando o mentor de longa data Islam Karimov morreu.

“Os relatos que recebemos sobre violência grave, incluindo assassinatos, durante os protestos são muito preocupantes. Apelo às autoridades para que exerçam o máximo de contenção”, disse Bachelet em comunicado.

Leia também: Manifestantes do Uzbequistão tentaram tomar prédios e foram presos, diz governo

“Peço às autoridades que abram imediatamente uma investigação transparente e independente sobre quaisquer alegações de atos criminosos cometidos nesse contexto, incluindo violações por agentes do Estado”.

Os Estados Unidos expressaram preocupação separadamente e instaram todos os lados a buscar uma “resolução pacífica” para as tensões.

“Pedimos às autoridades que busquem uma investigação completa, confiável e transparente sobre a violência, consistente com as normas e melhores práticas internacionais”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, em comunicado.

O tamanho do protesto foi incomumente grande para a Ásia Central e levou as autoridades uzbeques a decretar um estado de emergência de um mês na empobrecida região ocidental.

Bachelet disse que mais de 500 pessoas foram detidas e expressou preocupação de que uma pessoa já tenha sido acusada e possa enfrentar até 20 anos de prisão.

“As pessoas não devem ser criminalizadas por exercerem seus direitos”, disse o ex-presidente chileno.

“Sob o Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, do qual o Uzbequistão é um Estado-parte, todos têm direito à liberdade de expressão, reunião pacífica e direito de participar dos assuntos públicos.”

Todos os detidos devem ter acesso imediato a um advogado, e seu devido processo legal e garantias de julgamento justo devem ser garantidos, disse o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos.

Leia também: Índia e Irã discutem porto de Chabahar e situação no Afeganistão

Bachelet instou o governo a suspender imediatamente a paralisação da internet, dizendo que a medida teve um alcance indiscriminado e impactou amplamente os direitos fundamentais à liberdade de expressão e acesso à informação.

Ela também lembrou às autoridades que as restrições da lei de emergência devem obedecer ao direito internacional e ser necessárias, proporcionais e não discriminatórias. Eles também precisam ser limitados em duração e as principais salvaguardas contra excessos devem ser implementadas.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *