ONU condena assassinato de jornalista palestino-americano


O Conselho de Segurança da ONU condenou veementemente o assassinato do jornalista palestino-americano Shireen Abu Akleh.

Na noite de sexta-feira, a organização pediu “uma investigação imediata, completa, transparente, justa e imparcial” sobre sua morte.

Um comunicado de imprensa foi aprovado pelos 15 membros do conselho após a remoção da linguagem enfatizando a importância da liberdade de imprensa e a necessidade de proteção de jornalistas que trabalham em áreas perigosas por insistência da China e da Rússia, disseram diplomatas, falando sob condição de anonimato porque as discussões eram privados.

A declaração do conselho reiterou “que os jornalistas devem ser protegidos como civis” e também condenou a lesão ao colega de Abu Akleh.

Abu Akleh, 51, era um nome familiar em todo o mundo árabe, reverenciada por sua cobertura da vida palestina sob o domínio israelense para o canal de satélite Al Jazeera nos últimos 25 anos.

Ela foi morta a tiros na quarta-feira durante um ataque militar israelense na cidade de Jenin, na Cisjordânia.

Jornalistas que estavam com ela, incluindo um colega da Al Jazeera que foi baleado e ferido, disseram que as forças israelenses atiraram contra eles, embora fossem claramente identificáveis ​​como repórteres.


Abu Akleh, 51, era um nome conhecido em todo o mundo árabe (Ariel Schalit/AP)

A raiva pelo assassinato de Abu Akleh aumentou na sexta-feira, quando a tropa de choque israelense empurrou e espancou carregadores de caixão, fazendo com que eles deixassem cair brevemente seu caixão em um início chocante de seu cortejo fúnebre. Tornou-se talvez a maior demonstração de nacionalismo palestino em Jerusalém em uma geração.

Israel diz que está investigando o incidente. Inicialmente, sugeria que ela poderia ter sido baleada por militantes palestinos, sem fornecer evidências, mas desde então voltou atrás.

Israel pediu uma investigação conjunta com a Autoridade Palestina, que administra partes da Cisjordânia e coopera com ela em segurança.

Mas os palestinos rejeitaram uma investigação conjunta e exigiram uma investigação internacional independente.


A raiva pelo assassinato de Abu Akleh aumentou na sexta-feira, quando a tropa de choque israelense empurrou e espancou carregadores de caixão (Mahmoud Illean/AP)

O presidente palestino Mahmoud Abbas culpou Israel por seu assassinato e disse que pediria imediatamente ao Tribunal Penal Internacional (TPI) para investigar. O TPI lançou uma investigação sobre possíveis crimes de guerra israelenses há mais de um ano, uma investigação que Israel rejeitou como tendenciosa.

O Conselho de Segurança não usou a palavra internacional, pedindo uma investigação imparcial e enfatizando a necessidade de garantir a prestação de contas.

As negociações sobre a declaração do conselho foram lideradas pela Noruega, Emirados Árabes Unidos e Estados Unidos.

A embaixadora da Noruega na ONU, Mona Juul, elogiou a “boa colaboração”, chamando a proteção de jornalistas uma prioridade para seu país.

“Estamos particularmente preocupados com a tendência crescente de ataques a obras de mídia e, em particular, a jornalistas mulheres”, disse Juul em comunicado.


Enlutados carregaram a jornalista veterana da Al Jazeera, Shireen Abu Akleh, pela cidade velha de Jerusalém durante seu cortejo fúnebre (Mahmoud Illean/AP)

Ambos os lados provavelmente duvidarão de quaisquer conclusões alcançadas pelo outro, e não parece haver qualquer possibilidade de um terceiro realizar uma investigação independente.

Poucas horas após sua morte, a Autoridade Palestina e a Al Jazeera acusaram Israel de matar deliberadamente Abu Akleh.

Israel diz que uma investigação completa é necessária antes que qualquer conclusão possa ser tirada.

O homem de 51 anos ingressou no serviço de língua árabe da Al Jazeera em 1997 e ganhou destaque cobrindo a segunda intifada palestina, ou revolta contra o domínio israelense, no início dos anos 2000.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.