O primeiro-ministro Narendra Modi se encontra com o chefe da Foxconn e elogia os planos de fabricação para a Índia


O primeiro-ministro Narendra Modi se encontra com o chefe da Foxconn e elogia os planos de fabricação para a Índia
Primeiro ministro Narendra modi na quinta-feira reuniu-se com a gigante manufatureira com sede em Taiwan Foxconnpresidente do jovem Liu e saudou os planos de fabricação de eletrônicos da empresa no país.

“É um prazer conhecer o Sr. Young Liu, presidente da Foxconn. Congratulo-me com seus planos para expandir a capacidade de fabricação de eletrônicos em Índiainclusive em semicondutores”, disse Modi em um tweet.


A empresa com sede em Taiwan também planeja montar uma fábrica de veículos elétricos na Índia.

O braço de fabricação de veículos elétricos da Foxconn, Foxtron, planeja montar fábricas em vários locais no sudeste Ásiaincluindo a Índia.

Liu também se encontrou com Akarsh Hebbar, diretor geral de exibição e negócios de semicondutores do Grupo Vedanta, para discutir os próximos passos da parceria proposta para a fabricação de chips semicondutores no país.

A Vedanta e a Foxconn assinaram um memorando de entendimento em fevereiro para formar uma joint venture na Índia.

A Vedanta deterá 60% do capital da JV, enquanto a Foxconn deterá 40%.

“A parceria Vedanta-Foxconn vai, nos próximos anos, deter a conta de importação de componentes eletrônicos de cerca de US$ 100 bilhões. Vedanta e Foxconn estão em discussão com alguns governos estaduais, para finalizar a localização de unidades de semicondutores em breve”, disseram as empresas em um comunicado. declaração.

Esta é a primeira joint venture no espaço de fabricação de eletrônicos após o anúncio do esquema de incentivo vinculado à produção (PLI) para semicondutores e fabricação de telas.

A Vedanta está planejando investir cerca de US$ 15 bilhões em fases nos próximos 5 a 10 anos para construir displays e chips semicondutores na Índia.

A joint venture vai tentar montar uma fábrica de semicondutores nos próximos dois anos, disseram as empresas.

A Índia, que pretende se tornar um centro global de semicondutores nos próximos anos, deve injetar US$ 30 bilhões em seu setor de tecnologia para alcançar a independência em chips para que não seja “refém” de fornecedores globais.

O governo indiano anunciou recentemente um desembolso de Rs 76.000 crore (cerca de US$ 10 bilhões), sob seu esquema de incentivo vinculado à produção (PLI), separadamente para o desenvolvimento de um ecossistema de eletrônicos de fabricação de semicondutores e displays.

Nos últimos anos, a Índia tem promovido ativamente a cooperação com Taiwan em comércio, investimento, turismo, cultura, educação e intercâmbios interpessoais. Ambos os países também constituíram equipes para a expansão da colaboração frutífera em educação e desenvolvimento de habilidades.

FacebookTwitterLinkedin




Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.