O número de mortos sobe para 50 em bombardeios em escolas na capital afegã


Famílias enlutadas enterraram seus parentes após um atentado a bomba em uma escola para meninas na capital afegã, que matou 50 pessoas, muitas delas estudantes entre 11 e 15 anos.

O número de feridos no ataque de sábado subiu para mais de 100, disse o porta-voz do Ministério do Interior, Tariq Arian.

Três explosões do lado de fora da entrada da escola ocorreram enquanto os alunos estavam saindo para o dia, disse o Sr. Arian.

As explosões tiveram como alvo os hazaras da etnia afegã, que dominam o bairro Dasht-e-Barchi, onde ocorreram os bombardeios. A maioria dos hazaras são muçulmanos xiitas. O Taleban negou responsabilidade, condenando o ataque e as muitas mortes.

A primeira explosão veio de um veículo cheio de explosivos, seguido por dois outros, disse Arian, acrescentando que o número de vítimas ainda pode aumentar.

Na capital sacudida por bombardeios implacáveis, o ataque de sábado foi um dos piores.

Críticas aumentaram sobre a falta de segurança e o medo crescente de ainda mais violência, enquanto os EUA e a Otan concluem sua retirada militar final do Afeganistão.

Na Cidade do Vaticano, em seus tradicionais comentários de domingo aos fiéis na Praça de São Pedro, o Papa Francisco citou o atentado.

“Oremos pelas vítimas do ataque terrorista em Cabul, uma ação desumana que atingiu tantas meninas quando elas estavam saindo da escola”, disse ele.

O pontífice acrescentou: “Que Deus dê paz ao Afeganistão”.


Pessoas colocaram flores fora de uma escola após o ataque mortal no sábado, em Cabul, Afeganistão (Mariam Zuhaib / AP)

A área de Dasht-e-Barchi foi atingida por vários incidentes de violência contra as minorias xiitas e, na maioria das vezes, reivindicados pela chamada afiliada do Estado Islâmico que opera no país. Ninguém ainda reivindicou os atentados de sábado.

No domingo, os líderes Hazara de Dasht-e-Barchi se reuniram para expressar sua frustração com o fracasso do governo em proteger os hazaras étnicos, decidindo montar uma força de proteção própria entre a comunidade Hazara.

A força seria implantada fora de escolas, mesquitas e instalações públicas e cooperaria com as forças de segurança do governo. A intenção é complementar as forças locais, disse o parlamentar Ghulam Hussein Naseri.

Os participantes da reunião decidiram que “não há outra maneira, exceto as próprias pessoas, de fornecerem sua própria segurança ao lado das forças de segurança”, disse Naseri, que acrescentou que o governo deveria fornecer armas aos hazaras locais.

O Sr. Naseri disse que os hazaras foram atacados nas suas escolas, nas suas mesquitas e “têm o direito de ficar aborrecidos. Quantas mais famílias perdem seus entes queridos? Quantos mais ataques contra esta minoria têm que ocorrer nesta parte da cidade antes que algo seja feito? ”


Pessoas enterram uma vítima dos atentados no sábado perto de uma escola, em um cemitério a oeste de Cabul, Afeganistão (Mariam Zuhaib / AP)

Um dos alunos que foge da escola relembrou o ataque.

“Eu estava com meu colega de classe, estávamos saindo da escola, quando de repente aconteceu uma explosão”, disse Zahra, de 15 anos, cujo braço havia sido quebrado por um estilhaço.

“Dez minutos depois, houve outra explosão e apenas alguns minutos depois, outra explosão”, disse ela. “Todo mundo estava gritando e havia sangue por toda parte, e eu não conseguia ver nada com clareza.”

A maioria das dezenas de feridos levados ao Hospital de EMERGÊNCIA para feridos de guerra na capital afegã, “quase todas meninas e mulheres jovens entre 12 e 20 anos”, disse Marco Puntin, coordenador do programa do hospital no Afeganistão.

Em um comunicado após o ataque, o hospital, que opera em Cabul desde 2000, disse que nos primeiros três meses deste ano houve um aumento de 21% no número de feridos de guerra.

O ataque ocorre dias depois que 2.500 a 3.500 soldados americanos restantes começaram oficialmente a deixar o país. Eles serão lançados em 11 de setembro, o mais tardar.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.