O governo italiano exigirá que todos os trabalhadores exibam o passe da Covid


Trabalhadores italianos nos setores público e privado terão que exibir um passe de saúde para acessar seus locais de trabalho a partir de 15 de outubro, sob um decreto emitido pelo governo de coalizão do premier Mario Draghi.

As medidas são as primeiras de uma grande economia europeia a exigir prova de vacinação, um recente teste de vírus negativo ou recuperação de Covid-19 nos seis meses anteriores para todas as categorias de trabalhadores.

“O Passe Verde é um instrumento de liberdade que nos ajudará a tornar os locais de trabalho mais seguros”, disse o ministro da Saúde, Roberto Speranza, em entrevista coletiva. “O segundo motivo é reforçar nossa campanha de vacinação.”

Eslovênia e Grécia adotaram medidas semelhantes esta semana, mas a economia da Itália, a terceira maior da União Europeia, é uma meta muito maior, e a medida reforça a determinação do governo de evitar outro bloqueio, mesmo com o aumento do número de novas infecções por vírus, principalmente entre os não vacinados.


Green Passes estão sendo introduzidos para todos os funcionários (Andrew Medichini / AP)

Os ministros disseram que as medidas visam reforçar a recuperação econômica da Itália, com previsão de crescimento do PIB de 6% este ano, em um momento crítico da pandemia, com a reabertura das escolas e o clima mais frio movimentando mais atividades dentro de casa, onde o vírus se espalha mais facilmente.

Eles também expressaram preocupação com o impacto de quaisquer novas variantes possíveis.

Os trabalhadores enfrentam multas de até 1.500 euros e os empregadores até 1.000 euros se não cumprirem.

Funcionários do setor público correm o risco de suspensão se acumularem cinco faltas por não comparecimento com um Passe Verde, enquanto os trabalhadores do setor privado podem ser suspensos após a primeira falha.

As medidas permanecem em vigor enquanto a Itália estiver em estado de emergência, atualmente até 31 de dezembro.

A ministra do Trabalho, Andrea Orlando, disse que ninguém corre o risco de ser demitido se não apresentar o Passe Verde, e o ministro da Administração Pública, Renato Brunetta, reconhece que a fiscalização em alguns locais de trabalho deve ser aleatória.

“É muito provável que o efeito do anúncio já traga nas próximas quatro semanas uma aceleração nos Passes Verdes, sim, mas também nas vacinações”, disse Brunetta. “O resultado já poderia ser alcançado, ou parcialmente alcançado, ou talvez – otimisticamente – excedido, antes mesmo de o decreto entrar em vigor.”

Sindicatos e partidos de direita fizeram lobby sem sucesso para que os testes da Covid fossem fornecidos gratuitamente aos trabalhadores. O preço será de 15 euros para adultos e 8 euros para menores de 18 anos.

A Itália ultrapassou o limite de 80% da população elegível tendo recebido pelo menos uma dose da vacina este mês, com mais de 81,7 milhões de doses da vacina administradas até quinta-feira. Três quartos da população, ou 40,5 milhões de pessoas, estão totalmente vacinados.

Embora o Passe Verde tenha sido apoiado por partidos de todo o espectro político, os críticos sinalizaram preocupações sobre uma erosão gradual e contínua das liberdades civis durante a pandemia. As contestações judiciais são prováveis, já que o direito ao trabalho está consagrado na constituição da Itália.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.