O ex-líder da África do Sul, Zuma, preso para comparecer ao funeral do irmão


O ex-presidente sul-africano Jacob Zuma terá permissão para deixar a prisão na quinta-feira para assistir ao funeral de seu irmão.

Zuma terá permissão para usar roupas civis no funeral e depois voltará para a prisão de Estcourt, no leste da África do Sul, de acordo com um comunicado emitido pelo departamento de serviços correcionais.

O irmão de Zuma, Michael, morreu na semana passada e será enterrado em sua província natal de KwaZulu-Natal.

Zuma cumpre atualmente uma sentença de 15 meses por desafiar uma ordem do Tribunal Constitucional, o tribunal mais alto do país, de que deve testemunhar na comissão de inquérito que investigou alegações de corrupção durante o seu mandato como presidente de 2009 a 2018.


Pessoas fogem com sacos de arroz roubados de uma fábrica em Mobeni, ao sul de Durban, na África do Sul, enquanto a agitação continua na província de KwaZulu Natal (AP)

O início da prisão de Zuma em 8 de julho gerou protestos que rapidamente se transformaram em distúrbios violentos nas províncias de KwaZulu-Natal e Gauteng que duraram uma semana.

A pobreza generalizada e a desigualdade na África do Sul contribuíram para a onda de agitação que viu o saque generalizado de shopping centers, o incêndio de caminhões de carga e a barricada de duas das principais rodovias do país.

O número de mortos nos distúrbios subiu para 276, e a polícia está investigando 168 deles por assassinato, anunciou Khumbudzo Ntshavheni, ministro em exercício na presidência.

Embora muitas pessoas tenham sido pisoteadas em correria em shopping centers quando as lojas foram saqueadas, as investigações policiais sobre o assassinato indicam que muitas mortes podem ter sido causadas por tiroteios e outros atos intencionais. A Anistia Internacional também está investigando as mortes.

O custo econômico da agitação da África do Sul ainda está sendo calculado. Os danos na província de KwaZulu-Natal são estimados em 20 bilhões de rands (£ 1 bilhão).

Lá, mais de 150 shoppings, 11 armazéns e oito fábricas foram seriamente danificados. Os danos na província de Gauteng ainda estão sendo avaliados.


Iniciam-se operações de limpeza em um shopping center em Vosloorus, próximo a Joanesburgo. Áreas empobrecidas da África do Sul foram abaladas por distúrbios e dias de pilhagem provocados pela prisão do ex-presidente Jacob Zuma. (Themba Hadebe / AP)

Além de sua sentença por desacato ao tribunal, Zuma está sendo julgado por corrupção decorrente de uma compra de armas pela África do Sul em 1999.

Esse caso foi adiado até 10 de agosto, enquanto o juiz decide se Zuma deve ser autorizado a comparecer ao julgamento pessoalmente no Supremo Tribunal de Pietermaritzburg.

Nesse caso, Zuma é acusado de receber propina da fabricante de armas francesa Thales por meio de seu ex-consultor financeiro Schabir Shaik. Shaik foi condenado por acusações relacionadas em 2005 e cumpriu pena na prisão.

Zuma também recorreu ao Tribunal Constitucional para rescindir sua sentença por desacato ao tribunal, argumentando que erros foram cometidos em sua condenação e sentença. O tribunal ainda não disse quando se pronunciará sobre o pedido de Zuma.

Zuma recusou-se a testemunhar perante o inquérito judicial sobre corrupção durante os seus anos como presidente.

Várias testemunhas, incluindo ex-ministros de gabinete e chefes de empresas estatais, testemunharam que Zuma permitiu que seus associados, membros da família Gupta, influenciassem suas nomeações para o gabinete e a concessão de lucrativos contratos estatais.



Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *