O crime cibernético se espalha na Austrália à medida que o COVID-19 empurra mais pessoas para a Internet


O crime cibernético se espalha na Austrália à medida que o COVID-19 empurra mais pessoas para a Internet
Austrália relatou um salto de 13% em crime cibernético no ano passado, com cerca de um incidente em quatro visando infraestruturas e serviços críticos, visto que trabalhar em casa durante a pandemia tornou mais pessoas vulneráveis ​​a ataques online.

O australiano Cíber segurança Center (ACSC) recebeu um relatório de crime cibernético a cada oito minutos durante os 12 meses até 30 de junho de 2021, disse em seu relatório anual.


Os hackers mudaram seu foco para pessoas que trabalham remotamente online e usaram o medo criado por COVID-19 para direcionar ativamente as pessoas vulneráveis ​​e os serviços de saúde para realizar espionagem e roubar dinheiro e informações confidenciais dados, Disse o ministro assistente da Defesa, Andrew Hastie, em um comunicado.

Ransomware os incidentes aumentaram quase 15%, com o setor de saúde relatando o segundo maior número de ataques.

O software Ransom funciona criptografando os dados das vítimas e, normalmente, os hackers oferecem às vítimas uma senha – ou uma “chave” – ​​para recuperá-la em troca de pagamentos de criptomoedas que podem chegar a milhões de dólares.

“Os cibercriminosos mal-intencionados estão aumentando seus ataques aos australianos”, disse Hastie.

Em junho do ano passado, a Austrália disse que estava sendo alvo de um “ator cibernético sofisticado com base no estado”, com os ataques direcionados a todos os níveis do governo, partidos políticos e provedores de serviços essenciais. Fontes disseram à Reuters que a Austrália via a China como o principal suspeito, o que Pequim negou.

Em julho deste ano, os Estados Unidos e seus aliados, incluindo a Austrália, acusaram a China de uma campanha global de ciberespionagem, que o secretário de Estado Antony Blinken disse ser “uma grande ameaça à nossa segurança econômica e nacional”.

A IDCare, que trabalha com reguladores para apoiar as vítimas de roubo de identidade, disse que os números da ACSC foram a “ponta do iceberg” porque muitas vítimas não se reportaram às autoridades. Ele disse que teve um salto de 47% nas reclamações até agora em 2021, em comparação com 2020, que foi um ano recorde.

“Os indicadores gerais são de que não está diminuindo e é provável que aumente”, disse o diretor-gerente da IDCare, David Lacey.

“É uma tempestade perfeita para os golpistas em condições que eles amam e prosperam.”

FacebookTwitterLinkedin




Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *