O CEO da Epic Games cita o “controle total” da Apple sobre os iPhones no primeiro dia do julgamento antitruste

O CEO da Epic Games cita o controle total da Apple sobre iPhones no primeiro dia do julgamento antitruste

OAKLAND: O executivo-chefe da Epic Games, criadora de “Fortnite”, testemunhou na segunda-feira que sabia que estava quebrando maçã Inc’s Loja de aplicativos regras ao colocar o próprio sistema de pagamento dentro do aplicativo da Epic no jogo no ano passado, mas queria destacar o domínio da Apple sobre o mundo Iphone usuários, que agora totalizam 1 bilhão.

“Eu queria que o mundo visse que a Apple exerce controle total sobre todos os softwares no iOS e pode usar esse controle para negar o acesso dos usuários aos aplicativos”, disse Tim Sweeney por trás de camadas de acrílico em um tribunal federal em Oakland, Califórnia, no primeiro dia de um julgamento antitruste contra a Apple.

O julgamento, que deve durar três semanas, traz à tona uma ação judicial movida pela Epic no ano passado no nós Tribunal Distrital do Distrito Norte da Califórnia, centralizado em dois Aplicativole práticas que se tornaram os pilares de seu negócio: a exigência da Apple de que praticamente todos os softwares de terceiros para 1 bilhão de iPhones do mundo sejam distribuídos através de sua App Store, e a exigência de que os desenvolvedores usem o sistema de compra no aplicativo da Apple, que cobra comissões a 30%.

A Epic quebrou as regras da Apple em agosto, quando lançou seu próprio sistema de pagamento no aplicativo no “Fortnite” para contornar as comissões da Apple. Em resposta, a Apple expulsou a Epic de sua App Store.

A Epic processou a Apple, alegando que o fabricante do iPhone está abusando de seu poder sobre os desenvolvedores de aplicativos com regras de revisão da App Store e requisitos de pagamento que prejudicam a concorrência no mercado de software. A Epic também lançou uma campanha agressiva de relações públicas para chamar a atenção para suas alegações, no momento em que as práticas da Apple estão sob escrutínio de legisladores e reguladores nos Estados Unidos e em outros lugares.

Na argumentação inicial, a advogada da Epic Katherine Forrest de Cravath, Swaine & Moore expôs o argumento da empresa de jogos de que a Apple construiu “tijolo por tijolo” sua App Store em um “jardim murado” com o objetivo de cobrar taxas dos desenvolvedores que desejam acessar o 1 bilhões de usuários do iPhone. Forrest argumentou que a Apple prendeu esses usuários em seu ecossistema com aplicativos como o iMessage, que permite aos usuários da Apple enviar mensagens para outros dispositivos, mas tem funcionalidade limitada ao se comunicar com usuários do Android.

“A flor mais comum no jardim murado é a armadilha para mosca Vênus”, argumentou Forrest perante a juíza Yvonne Gonzalez Rogers.

A Apple rebateu as alegações da Epic argumentando que as regras da App Store fizeram os consumidores se sentirem seguros e protegidos ao abrir suas carteiras para desenvolvedores desconhecidos, ajudando a criar um mercado massivo do qual todos os desenvolvedores se beneficiaram. A Apple argumenta que a Epic quebrou intencionalmente seus contratos com a Apple porque a fabricante do jogo queria um passeio grátis na plataforma da fabricante do iPhone.

Ao abrir os argumentos para a Apple, a advogada Karen Dunn de Paul Weiss observou que a Epic está pedindo ao juiz que force a Apple a permitir que software de terceiros seja instalado em seus telefones fora da App Store, semelhante ao “carregamento lateral” do sistema operacional Android já permite.

“A Epic está pedindo a intervenção do governo para tirar uma escolha que os consumidores têm atualmente”, disse Dunn ao tribunal.

A sala do tribunal foi fechada ao público, mas na audiência como uma “testemunha corporativa” de cada lado estavam Sweeney da Epic e Phil Schiller, chefe da App Store da Apple.

Durante seu depoimento, Sweeney disse que a Epic paga comissões a outros proprietários de plataformas, como o PlayStation da Sony Group Corp e Microsoft Corpdo Xbox, mas explicou que esses fabricantes de hardware usam taxas de desenvolvedores para subsidiar o desenvolvimento de seu hardware.

A juíza Gonzalez Rogers também fez suas primeiras perguntas diretas sobre o julgamento durante o depoimento de Sweeney, perguntando se os iPhones originais da Apple de 2007 e 2008 eram sofisticados o suficiente para rodar os videogames da Epic. Sweeney disse que não.

“Então a Apple teve que fazer algo no próprio iPhone para que ele fosse sofisticado o suficiente para rodar seu software? Como isso é diferente dos consoles?” ela perguntou.

Sweeney respondeu que o desenvolvimento do hardware era semelhante, mas os dois dispositivos tinham modelos de negócios diferentes.

Sweeney e Schiller devem comparecer a todo o julgamento, que também contará com depoimentos pessoais do presidente-executivo da Apple, Tim Cook, e de outros executivos seniores de ambas as empresas.

A Epic não está buscando indenização monetária, mas está pedindo ao tribunal que dê ordens que acabariam com muitas das práticas da Apple.

FacebookTwitterLinkedin



Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *