Número de mortos por coronavírus ultrapassa 1.500 na China continental

O número de mortos por uma cepa de coronavírus – também conhecida como Covid-19 – na China continental passou de 1.500 depois que as autoridades de saúde relataram outras 143 mortes na manhã de sábado.

Esse aumento viu o total chegar a 1.523 mortes.

As autoridades também disseram que os mais recentes 2.641 novos casos diários do vírus representaram uma “grande queda” e, devido à ampla implementação de um novo método de diagnóstico.

A província de Hubei, onde se acredita que o surto tenha se originado, agora inclui casos com base no diagnóstico de um médico antes de serem confirmados por testes de laboratório.

O número total de casos confirmados no país agora é de 66.492, de acordo com a Comissão Nacional de Saúde da China.

O total inclui mais de 1.700 trabalhadores médicos, anunciou uma alta autoridade chinesa.

Seis dos trabalhadores morreram, disse Zeng Yixin, vice-diretor da Comissão Nacional de Saúde.

Os trabalhadores médicos representam cerca de 3,8% dos casos confirmados, acrescentou Zeng.

Casos foram registrados em países como Grã-Bretanha, Japão e EUA.

O Camboja atraiu elogios do líder deste último quando permitiu que um navio de cruzeiro se recusasse a entrar em outros lugares devido ao receio de coronavírus atracar em Sihanoukville.

O primeiro-ministro cambojano Hun Sen conheceu as centenas de passageiros de Westerdam, na costa sul de seu país, entregando pessoalmente flores a eles depois que eles não foram autorizados a atracar no Japão, Guam, Taiwan, Tailândia e Filipinas.

A operadora de Westerdam, a Holland America Line, com sede em Seattle, disse que não houve casos confirmados entre os passageiros ou a tripulação.

O presidente dos EUA, Donald Trump, twittou sua gratidão, dizendo: “Obrigado ao belo país do Camboja” antes de acrescentar que o país dele “lembraria sua cortesia!”

Cerca de 600 casos do vírus foram confirmados fora da China continental, juntamente com três mortes, uma nas Filipinas e Hong Kong e uma japonesa nos seus 80 anos.

Em uma tentativa sem precedentes de conter a doença, o governo chinês colocou as cidades mais atingidas – lar de mais de 60 milhões de pessoas – sob detenção.

As pessoas são impedidas de entrar ou sair das cidades e, em muitos lugares, só podem deixar suas casas ou complexos residenciais para fazer compras e outras necessidades diárias.




Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *