Últimas

Negociações em andamento para um cessar-fogo humanitário de três dias em Gaza – autoridades


Estão em curso negociações para alcançar um cessar-fogo humanitário de três dias em Gaza, em troca da libertação de cerca de uma dúzia de reféns detidos pelo Hamas.

Isto é de acordo com dois responsáveis ​​do Egipto, um das Nações Unidas e um diplomata ocidental, que falaram sob condição de anonimato para discutir esforços diplomáticos sensíveis.

O acordo permitiria que mais ajuda, incluindo quantidades limitadas de combustível, entrasse no território sitiado para aliviar o agravamento das condições dos 2,3 milhões de palestinianos ali presos. Está sendo intermediado pelo Catar, Egito e Estados Unidos, segundo as autoridades e o diplomata.

O número de palestinos mortos na guerra ultrapassou 10.500, incluindo mais de 4.300 crianças, disse o ministério da saúde administrado pelo Hamas em Gaza.

Na Cisjordânia ocupada, mais de 160 palestinos foram mortos na violência e nos ataques israelenses.


Israel Palestinos Netanyahu Culpa Jogo
O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que qualquer cessar-fogo temporário teria que ser acompanhado pela libertação de reféns capturados pelo Hamas (Abir Sultan/Pool Photo via AP)

Mais de 1.400 pessoas em Israel foram mortas, a maioria delas no ataque do Hamas em 7 de outubro que iniciou os combates, e 239 reféns foram levados de Israel para Gaza pelo grupo militante.

Uma das autoridades egípcias disse que os detalhes do acordo foram discutidos esta semana no Cairo com o chefe da CIA visitante e uma delegação israelense. O funcionário disse que os mediadores estão finalizando um projeto de acordo.

Um alto funcionário dos EUA disse que o governo Biden não apresentou nenhum prazo específico para uma pausa nas operações militares de Israel, mas sugeriu que Israel considerasse vincular a duração da pausa à libertação de um certo número de reféns.

Se for possível chegar a um acordo sobre a duração da pausa e o número de reféns a libertar e o acordo for implementado com sucesso, a mesma fórmula poderá ser revista para pausas e libertações adicionais, segundo o responsável.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse que qualquer cessar-fogo temporário teria que ser acompanhado pela libertação dos reféns que foram capturados pelo Hamas durante o ataque do grupo militante em 7 de outubro ao sul de Israel.

Israel disse que cerca de 240 reféns, tanto israelenses como com passaportes estrangeiros, estão atualmente detidos em Gaza.

Um cessar-fogo de três dias permitiria a entrega de ajuda humanitária em toda Gaza, incluindo a zona norte, o foco da campanha militar de Israel para esmagar os governantes do território, o Hamas.


Israel Palestinos
Palestinos inspecionam os danos de uma mesquita destruída após um ataque aéreo israelense no campo de refugiados de Khan Younis, no sul da Faixa de Gaza (Mohammed Dahman/AP)

Segundo o acordo proposto, algum combustível também entraria em Gaza pela primeira vez desde o início da guerra, para ser distribuído a hospitais e padarias sob supervisão da ONU.

Israel proibiu o envio de combustível para Gaza desde o início da guerra, argumentando que o Hamas os desviaria para uso militar. Durante o último mês, apenas quantidades limitadas de ajuda, como medicamentos, alimentos e água, entraram em Gaza. Os trabalhadores humanitários dizem que não é suficiente para satisfazer as necessidades crescentes.

Segundo o acordo de trégua proposto, o Hamas libertaria uma dúzia de reféns civis, a maioria deles portadores de passaportes estrangeiros, e forneceria uma lista completa de reféns aos mediadores, segundo as autoridades. O Comité Internacional da Cruz Vermelha seria autorizado a visitar os reféns.

O diplomata disse que as conversações são complexas devido ao envolvimento de diferentes partes da região e das capitais ocidentais.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *