Mulheres jovens estão recebendo exames pélvicos desnecessários, constata estudo

Muitas mulheres provavelmente concordam que fazer um exame pélvico não é a coisa mais agradável a se fazer, mas fazemos porque é recomendado pelos nossos ginecologistas e obstetras. Porém, para mulheres com menos de 21 anos, esses exames podem ser desconfortáveis, traumáticos e, de acordo com o padrão de atendimento médico, completamente desnecessários.

Por vários anos, os consultórios do Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas (ACOG) e da Sociedade Americana do Câncer (ACS) declararam que o rastreamento do câncer cervical deve começar aos 21 anos.

Apesar dessas diretrizes, um novo estudo publicado na JAMA Internal Medicine encontraram cerca de 2,6 milhões de jovens mulheres que receberam um exame pélvico bimanual (BPE) no ano passado e 2,2 milhões receberam um teste de Papanicolaou (exame de Papanicolaou). Nos dois casos, mais da metade não era clinicamente necessária.

A invasão e o sobrediagnóstico do HPV desses exames injustificados podem levar a trauma psicológico, de acordo com o ginecologista / obstetra Suzanne Gilberg-Lenz, M.D.

Então, por que isso está acontecendo?

“Pode estar faltando a conformidade com as diretrizes profissionais atuais sobre o uso adequado desses exames e testes”, afirmou o estudo. Além disso, os ginecologistas e obstetras que não são certificados pelo conselho podem não estar tão cientes das mudanças nos padrões de atendimento, disse Gilberg-Lenz.

Outra OB / GYN, Wendie Trubow, M.D., concorda, acrescentando que os médicos que trabalham com adolescentes de alto risco podem vê-los como de alto risco e, portanto, tratá-los da mesma forma para evitar perder qualquer coisa potencialmente perigosa.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *