Milão desligará fontes devido à seca atingir a Itália


O prefeito de Milão assinou um decreto fechando as torneiras de fontes decorativas públicas e o arcebispo da cidade rezou por chuva em uma visita às igrejas enquanto o norte da Itália enfrenta uma de suas piores secas em décadas.

O decreto da cidade segue a declaração na sexta-feira de estado de emergência na região da Lombardia, que sofreu uma onda de calor incomum e meses sem chuvas significativas.

Os vizinhos Emilia Romagna e Piemonte adotaram medidas de crise semelhantes.

O prefeito de Milão, Giuseppe Sala, disse que a portaria desligará as fontes decorativas, exceto aquelas que contêm flora e fauna que precisam de água doce.


Vista do leito do rio Pó sob a Ponte della Becca mostra os efeitos da seca em Linarolo, perto de Pavia, Itália (Luca Bruno/AP)

Além disso, limita o uso de aspersores de água, exceto para árvores recém-nascidas.

O prefeito também decretou que as lojas da capital italiana de negócios e moda não podem definir termostatos abaixo de 26C (79F) e devem manter suas portas fechadas para evitar sobrecarregar a rede elétrica.

Em um post no Facebook, Sala convidou os milaneses a fazerem sua parte e reduzirem ao máximo o uso de água em casa, em jardins privados e até mesmo na limpeza de terraços e pátios.

Separadamente, o arcebispo Mario Delpini fez uma peregrinação no sábado para rezar pelo “dom da chuva”, visitando três igrejas que atendem as comunidades agrícolas nos arredores de Milão.

Ele recitou o Rosário e usou água benta para abençoar um campo em frente à igreja St Martin Olearo di Mediglia.


Arcebispo Mario Delpini abençoa um campo com água benta em Mediglia, norte da Itália (Luca Bruno/AP)

A seca na Itália secou rios cruciais para a irrigação, incluindo o Po, ameaçando cerca de três bilhões de euros (2,6 bilhões de libras) na agricultura, disse o lobby agrícola italiano Coldiretti nesta semana.

A confederação de produtores agrícolas da Itália, Copagri, estima a perda de 30% a 40% da safra sazonal.

Embora o calor incomum e a falta de chuva sejam os culpados pela crise atual, a Itália tem uma infraestrutura de água notoriamente desperdiçada que a agência nacional de estatísticas ISTAT estima que perde 42% da água potável das redes de distribuição a cada ano, em grande parte devido a tubulações antigas e mal conservadas .

A agência de proteção civil da Itália está coletando informações de regiões e vários ministérios nacionais para propor um estado de emergência mais amplo para as regiões afetadas.

Centenas de vilas e cidades em todo o norte já aprovaram vários decretos exigindo o uso responsável da água para evitar a possibilidade de racionamento.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.