Mianmar anuncia que perdoou e libertou 23.000 prisioneiros


A junta de Mianmar anunciou que perdoou e libertou mais de 23.000 prisioneiros para marcar o feriado de ano novo, mas não ficou claro se eles incluíam ativistas pró-democracia que foram detidos após o golpe de fevereiro.

A libertação foi anunciada na emissora estatal MRTV, que disse que o líder militar General Min Aung Hlaing perdoou os 23.047 prisioneiros, incluindo 137 estrangeiros que serão deportados de Mianmar.

Ele também reduziu sentenças para outros.

A libertação antecipada de prisioneiros é comum durante feriados importantes, mas esta é a segunda vez que a junta governante o faz desde que derrubou o governo eleito de Aung San Suu Kyi, gerando protestos diários, prisões e mortes pelas forças de segurança.


As forças de segurança da polícia aguardam dentro de uma viatura policial e na calçada da Hledan Road, no município de Kamayut, em Yangon, Mianmar (AP)

De acordo com a Associação de Assistência a Presos Políticos, que monitora vítimas e prisões, as forças do governo mataram pelo menos 726 manifestantes e transeuntes desde a tomada do poder.

O grupo afirma que 2.728 pessoas, incluindo Suu Kyi, estão detidas.

Após a libertação de mais de 23.000 condenados para marcar o Dia da União em 12 de fevereiro, houve relatos nas redes sociais de que alguns foram recrutados pelas autoridades para realizar atos de violência à noite em áreas residenciais para espalhar o pânico, especialmente com incêndios.

Algumas áreas responderam criando seus próprios grupos de vigilância de bairro.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.