Meio milhão de pessoas infectadas em todo o mundo com o aumento do pedágio econômico

O número humano e econômico dos bloqueios contra o coronavírus aumentou quando a Itália fechou a maior parte de sua indústria, e mais de três milhões de americanos solicitaram benefícios de desemprego em uma única semana.

À medida que o número de infecções em todo o mundo atingiu meio milhão e o número de mortos subiu para cerca de 23.000, os danos aos meios de subsistência e ao bem-estar das pessoas, resultantes do esforço para achatar a curva crescente, começaram a ficar em foco.

Na Índia, onde os 1,3 bilhão de pessoas do país estavam sob ordens de ficar em casa, legiões de pobres foram subitamente desempregadas e muitas famílias ficaram lutando por algo para comer.

Um grupo de trabalhadores indianos em Ghaziabad, nos arredores de Nova Délhi (Altaf Qadri / AP)

“Nossa primeira preocupação é com comida, não com o vírus”, disse Suresh Kumar, 60 anos, um ciclista de riquixá em Nova Délhi, cuja família de seis pessoas depende de seus ganhos diários de 300 rúpias, ou 3,20 libras. “Não sei como vou gerenciar.”

A Índia tem o segundo maior número de pessoas do mundo vivendo em extrema pobreza.

Os motoristas de riquixá, produzem vendedores ambulantes, empregadas domésticas, diaristas e outros trabalhadores com baixos salários formam a espinha dorsal da economia, e muitos vivem dia a dia com seus salários e não têm economias para recorrer.

O governo indiano anunciou um pacote de estímulo econômico de 1,7 trilhão de rupias (18 bilhões de libras) que fornecerá rações mensais de grãos e lentilhas a impressionantes 800 milhões de pessoas.

Em todo o mundo, o número de mortos foi de quase 8.200 na Itália, mais de 4.100 na Espanha e mais de 1.000 nos Estados Unidos – o Estado de Nova York, o pior ponto de acesso do país, foi responsável por cerca de 400 das mortes nos EUA.

A maioria estava na cidade de Nova York, onde os hospitais estavam inundados de pacientes.

Na Europa, as empresas estão demitindo trabalhadores no ritmo mais rápido desde 2009, de acordo com pesquisas de gerentes de negócios. E os EUA também estão perdendo empregos: o número de americanos que solicitaram subsídios de desemprego na semana passada foi quase cinco vezes o recorde anterior, estabelecido em 1982.

Em um raro sinal positivo, as ações subiram em Wall Street pelo terceiro dia consecutivo, depois de um pacote de resgate econômico sem precedentes para ajudar empresas, hospitais e americanos comuns a superar a crise que ocorreu no Senado.

A África do Sul, com a economia mais industrializada da África, entrou em um bloqueio de três semanas a partir de sexta-feira. O país já está em recessão, com uma taxa de desemprego de 29%.

Em outros desenvolvimentos:

– A China disse que está impedindo temporariamente a maioria dos estrangeiros de entrar enquanto tenta conter casos importados. Relatos de novos casos de dentro do país pararam.

– No Oriente Médio, a Arábia Saudita anunciou um bloqueio total na capital, Riad e nas duas cidades mais sagradas do Islã, Meca e Medina, além de um toque de recolher em todo o país. Nos Emirados Árabes Unidos, as autoridades anunciaram um bloqueio durante a noite no fim de semana e usaram drones para pedir às pessoas que fiquem em casa.

– Os líderes do Grupo das 20 principais nações industrializadas realizaram uma cúpula em vídeo por razões de segurança e prometeram trabalhar juntos para enfrentar a crise, mas não assumiram compromissos específicos.

– No Brasil, os governadores do país estão desafiando o presidente Jair Bolsonaro por sua chamada para reabrir escolas e empresas, rejeitando seu argumento de que a “cura” de paralisações generalizadas é pior que a doença. Na quinta-feira, o país tinha mais de 2.500 casos e 59 mortes.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *