Medidas da Coreia do Norte para conter a Covid-19 agravam os abusos e a fome, diz especialista da ONU

Medidas drásticas tomadas pela Coreia do Norte para conter o coronavírus exacerbaram os abusos dos direitos humanos e as dificuldades econômicas de seus cidadãos, incluindo relatos de fome, disse um investigador das Nações Unidas.

A Coreia do Norte, que ainda não relatou nenhum caso confirmado de Covid-19, apesar de compartilhar uma fronteira com a China, impôs o fechamento da fronteira, proibiu a maioria das viagens internacionais e restringiu severamente os movimentos domésticos no ano passado.

“O maior isolamento da República Popular Democrática da Coréia com o mundo exterior durante a pandemia de Covid-19 parece exacerbar as violações dos direitos humanos”, disse Tomas Ojea Quintana, relator especial da ONU para os direitos humanos no país, em um relatório visto por Reuters na quarta-feira.

Ele instou as autoridades norte-coreanas a garantir que “as consequências negativas das medidas de prevenção não se tornem desproporcionalmente maiores do que o impacto da própria pandemia”.

Não houve resposta imediata a uma pergunta da Reuters à missão da Coréia do Norte nas Nações Unidas em Genebra. Pyongyang não reconhece o mandato do investigador da ONU e já rejeitou as alegações da ONU de crimes contra a humanidade cometidos pelo Estado.

A redução do comércio com a China levou a uma diminuição significativa nas atividades de mercado, reduzindo os ganhos de muitas famílias que dependem das atividades de mercado de pequena escala, disse Ojea Quintana.

“Tem havido escassez de bens essenciais, medicamentos, insumos agrícolas para a agricultura e matérias-primas para fábricas estatais”, disse ele, expressando preocupação de que tufões e inundações no ano passado possam levar a uma “grave crise alimentar”.

“Foram relatadas mortes por fome, assim como um aumento no número de crianças e idosos que recorrem à mendicância porque as famílias não conseguem sustentá-los.”

As operações humanitárias quase pararam e apenas três trabalhadores internacionais permanecem na Coréia do Norte, enquanto os produtos de socorro estão presos na fronteira chinesa há meses devido a restrições de importação, disse ele.

A Coréia do Norte deve receber 1,7 milhão de doses da vacina AstraZeneca por meio das instalações da COVAX até o final de maio, segundo dados da aliança de vacinas GAVI e da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Ojea Quintana instou Pyongyang a conceder acesso total aos profissionais médicos e humanitários envolvidos nas vacinações da Covid-19.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *