Marinha dos EUA apreende remessa de rifles de assalto e munições com destino ao Iêmen


A Marinha dos EUA disse que apreendeu um grande esconderijo de rifles de assalto e munições contrabandeadas por um navio pesqueiro do Irã, provavelmente com destino ao Iêmen devastado pela guerra.

Navios de patrulha da Marinha dos EUA descobriram as armas a bordo do que a Marinha descreveu como um navio de pesca sem estado em uma operação que começou na segunda-feira no norte do Mar Arábico, perto de Omã e Paquistão.

Os marinheiros embarcaram no navio e encontraram 1.400 rifles do tipo Kalashnikov e 226.600 cartuchos de munição, além de cinco membros da tripulação iemenita.

É apenas a mais recente interdição em meio à terrível guerra no Iêmen que coloca rebeldes Houthi apoiados pelo Irã contra uma coalizão militar liderada pela Arábia Saudita.

Países ocidentais e especialistas da ONU acusaram repetidamente o Irã de contrabandear armas ilícitas e tecnologia para o Iêmen ao longo dos anos, alimentando a guerra civil e permitindo que os houthis disparassem mísseis e drones contra a vizinha Arábia Saudita.

O Irã nega ter armado os Houthis, apesar das evidências em contrário.

Em um movimento incomumente aguçado, o comunicado na quarta-feira da 5ª Frota da Marinha com base no Bahrein culpou o Irã por enviar as armas, dizendo que o barco estava navegando ao longo de uma rota “historicamente usada para traficar armas ilegalmente para os Houthis no Iêmen”.

“O fornecimento, venda ou transferência direta ou indireta de armas para os Houthis viola as resoluções do Conselho de Segurança da ONU e as sanções dos Estados Unidos”, acrescentou o comunicado.

A missão do Irã nas Nações Unidas não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre a interceptação.

Os navios de patrulha da Marinha dos EUA transferiram as armas confiscadas para o destróier de mísseis guiados USS O’Kane antes de afundar o navio de pesca devido ao “perigo” que representava para o transporte comercial. Ele disse que a tripulação iemenita seria repatriada.

As apreensões americanas de armas destinadas à guerra do Iêmen, normalmente rifles Kalashnikov, metralhadoras e lançadores de granadas propelidos por foguetes, começaram em 2016 e continuaram de forma intermitente.

O Iêmen está inundado de armas pequenas que foram contrabandeadas para portos mal controlados ao longo de anos de conflito.

A 5ª frota da Marinha disse que confiscou cerca de 8.700 armas ilícitas até agora neste ano em toda a área de 2,5 milhões de milhas quadradas que patrulha, incluindo o estrategicamente importante Mar Vermelho e o Golfo Pérsico.

A guerra do Iêmen estourou em 2014, quando os Houthis tomaram a capital Sanaa e grande parte do norte do país.

A Arábia Saudita, junto com os Emirados Árabes Unidos e outros países, lançou uma campanha de bombardeios meses depois para restaurar o governo internacionalmente reconhecido e expulsar os rebeldes.

A guerra matou cerca de 130.000 pessoas e gerou o pior desastre humanitário do mundo.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.