Mais protestos em Mianmar seguem greve enquanto a preocupação internacional cresce

Manifestantes contra a tomada do poder pelos militares em Mianmar voltaram às ruas da maior cidade do país, um dia depois de uma convocação para uma greve geral ter fechado lojas e trazido um grande número de manifestantes.

O número diminuiu em relação à grande multidão de segunda-feira, mas cerca de 1.000 pessoas em Yangon se reuniram no Hledan Center da cidade, um importante ponto de encontro para os manifestantes, com outros grupos se reunindo em outros locais.

Em Mandalay, a segunda maior cidade do país, foi realizado um funeral para Thet Naing Win, de 37 anos, um dos dois manifestantes mortos a tiros pelas forças de segurança no sábado.

Ele e um adolescente foram mortos quando policiais e soldados abriram fogo contra uma multidão que se reunia para apoiar os trabalhadores portuários que as autoridades tentavam forçar a trabalhar. Eles estão em greve, assim como muitos funcionários públicos e funcionários do Estado, como parte de um movimento nacional de obediência civil contra a tomada militar em 1º de fevereiro.

Manifestantes anti-golpe exibem pôsteres da líder de Mianmar, Aung San Suu Kyi (AP)

Os militares afirmaram que assumiram o poder porque a eleição de novembro passado foi marcada por ampla irregularidade na votação, afirmação que foi refutada pela comissão eleitoral estadual, cujos membros foram substituídos pela junta governante.

O partido Liga Nacional para a Democracia de Aung San Suu Kyi obteve uma vitória esmagadora nas urnas, o que teria instalado seu governo para um segundo mandato de cinco anos no poder. No entanto, o exército impediu o parlamento de se reunir e deteve Suu Kyi, o presidente Win Myint e outros membros importantes de seu governo.

A junta disse que governará por um ano em estado de emergência e, em seguida, realizará novas eleições.

Houve uma enxurrada de atividades diplomáticas no exterior na segunda-feira, já que a preocupação internacional com a situação continuou alta.

Um protesto em Yangon, Mianmar (AP)

Os Estados Unidos e vários governos ocidentais pediram que a junta se abstenha de praticar violência, liberte os detidos e restaure o governo de Suu Kyi. Na segunda-feira, os Estados Unidos disseram que estavam impondo sanções contra mais membros da junta por causa das mortes de manifestantes pacíficos pelas forças de segurança.

O Ten Gen Moe Myint Tun e o Gen Maung Maung Kyaw somam-se a outros líderes militares e entidades que enfrentam sanções dos EUA, e a Grã-Bretanha e o Canadá tomaram medidas semelhantes desde o golpe.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, disse em um comunicado que os Estados Unidos condenam os ataques aos manifestantes e prometeu tomar outras medidas caso ocorra mais violência.

“Pedimos aos militares e à polícia que cessem todos os ataques a manifestantes pacíficos, libertem imediatamente todos os detidos injustamente, parem os ataques e intimidação de jornalistas e ativistas e restaurem o governo democraticamente eleito”, disse Blinken.

Os chanceleres da União Européia ordenaram uma série de medidas a serem elaboradas para atingir os responsáveis ​​pelo golpe. Eles disseram que a UE está pronta “para adotar medidas restritivas contra os responsáveis ​​diretos” pelo golpe. Eles planejam manter todas as outras opções “sob revisão”.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *