Mais de 160 feridos em confronto entre policiais israelenses e palestinos na mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém


Mais de 160 pessoas ficaram feridas depois que a tropa de choque israelense entrou em confronto com os palestinos no complexo da mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém, na sexta-feira, encerrando uma semana de violência na Cidade Santa e na Cisjordânia ocupada.

Pedras, garrafas e fogos de artifício foram arremessados ​​contra oficiais que dispararam balas de borracha e granadas de atordoamento contra as multidões no terceiro local mais sagrado do Islã, também venerado pelos judeus como o local de dois templos da era bíblica.

Pelo menos 163 palestinos e seis oficiais israelenses ficaram feridos em Al-Aqsa e em outras partes do leste de Jerusalém, já que o Crescente Vermelho Palestino disse que abriu um hospital de campanha porque os pronto-socorros estavam lotados.

A polícia disse que os policiais restauraram a ordem por causa da “rebelião de milhares de fiéis” após as orações noturnas.

As tensões em Jerusalém aumentaram nas últimas semanas, enquanto os palestinos protestavam contra as restrições de Israel ao acesso a partes da Cidade Velha durante o mês sagrado muçulmano do Ramadã, e depois que as autoridades ordenaram que várias famílias palestinas deixassem suas casas para dar lugar aos colonos israelenses.

Os Estados Unidos pediram uma “redução da escalada” e disseram que as ameaças de despejo podem piorar a situação em Jerusalém Oriental, já que as Nações Unidas alertaram que os despejos forçados podem equivaler a “crimes de guerra”.

A agitação de sexta-feira veio no Dia Al-Quds (o nome árabe para Jerusalém), um dia anual de comícios pró-palestinos realizados pelo Irã, o arquiinimigo de Israel, que também viu muitos milhares de marchas em países de maioria muçulmana em toda a região e tanto quanto o Paquistão.

O presidente palestino Mahmud Abbas disse que considera o governo israelense “responsável” pela agitação e expressou “total apoio aos nossos heróis em Aqsa”.

Os observadores internacionais pediram calma, com o Coordenador Especial da ONU para o Processo de Paz no Oriente Médio, Tor Vennesland, tuitou sua preocupação e instou todas as partes a “respeitarem o status quo dos locais sagrados na Cidade Velha de Jerusalém no interesse da paz e estabilidade.”

Os confrontos eclodiram quando os muçulmanos lotaram o complexo de Al-Aqsa para orar na última sexta-feira do Ramadã.

Em 2000, o complexo foi onde a segunda intifada palestina estourou depois de uma visita do ex-oposição e líder israelense de direita Ariel Sharon, vista como uma provocação dolorosa pelos palestinos.

Semana de violência

No início da sexta-feira, as forças de segurança israelenses mataram dois palestinos e feriram um terceiro depois que o trio abriu fogo contra a base de Salem na Cisjordânia ocupada, disse a polícia, com o incidente após dias de confrontos sangrentos e assassinatos.

No domingo, um israelense de 19 anos foi mortalmente ferido em um tiroteio no ponto de ônibus da junção de Tapuah na Cisjordânia.

As forças de segurança israelenses disseram ter prendido Montasser Shalabi, 44, perto de Ramallah, sob suspeita de realizar o ataque. Fontes palestinas disseram que Shalabi tem dupla nacionalidade norte-americana.

Na quarta-feira, tropas israelenses mataram um palestino de 16 anos quando abriram fogo contra manifestantes que atiravam bombas de gasolina, também na Cisjordânia.

E eclodiram confrontos entre a polícia e os manifestantes no bairro de Sheikh Jarrah, no leste de Jerusalém – alimentados por uma disputa de terras que durou anos entre refugiados palestinos e colonos judeus.

Correspondentes da AFP disseram que cerca de 100 manifestantes se reuniram novamente na sexta-feira à noite no bairro, com policiais usando granadas de atordoamento e canhões de água para dispersá-los.

Os incidentes em Sheikh Jarrah e ao redor do Portão de Damasco – um ponto de entrada chave para a Cidade Velha – deixaram muitos feridos, disse o Crescente Vermelho, aumentando o número de cerca de 22 feridos em confrontos no início da semana.

A polícia israelense também disse que fez 26 prisões entre quarta e quinta-feira.

Enquanto isso, na Jordânia – lar de uma grande população palestina – centenas se reuniram na sexta-feira, gritando “vamos morrer pelo xeque Jarrah”.

A nação administrou a Cisjordânia, incluindo a maior parte dos árabes de Jerusalém Oriental, até a Guerra dos Seis Dias de 1967 e continua sendo a guardiã dos locais sagrados muçulmanos na cidade.

No início deste ano, um tribunal distrital determinou que quatro casas palestinas em Sheikh Jarrah pertenciam legalmente a famílias judias.

Os demandantes judeus alegaram que suas famílias perderam as terras durante a guerra que acompanhou a criação de Israel em 1948, um conflito que também viu centenas de milhares de palestinos deslocados.

As famílias do Sheikh Jarrah forneceram evidências de que suas casas foram adquiridas de autoridades jordanianas, que controlaram Jerusalém Oriental de 1948 a 1967.

A Suprema Corte de Israel deve realizar uma nova audiência sobre o caso na segunda-feira.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.