Macron diz que Rússia não pode vencer na Ucrânia após greve em shopping


O presidente da França disse que a Rússia “não pode e não deve vencer” na Ucrânia, expressando o apoio contínuo do Ocidente a Kyiv após o terrível ataque de mísseis de Moscou a um shopping center.

Líderes ucranianos denunciaram o ataque, que matou 18 pessoas na cidade central de Kremenchuk, como um crime de guerra e um ataque terrorista.

O ataque foi rapidamente condenado pelos líderes do Grupo dos Sete (G7) reunidos na Alemanha na época.

Isso ocorreu quando uma barragem incomumente intensa de fogo russo em toda a Ucrânia, inclusive na capital Kyiv, chamou a atenção para uma guerra que algum temor pode desaparecer das manchetes à medida que se arrasta.

Falando no final da cúpula do G7 na Alemanha, o presidente francês Emmanuel Macron pareceu abordar essa preocupação, prometendo que as sete principais democracias industrializadas apoiariam a Ucrânia e manteriam sanções contra a Rússia “enquanto for necessário e com a intensidade necessária”.

“A Rússia não pode e não deve vencer”, disse ele. Ele acrescentou que o ataque de segunda-feira ao shopping foi “um novo crime de guerra”.

Assim como em outros ataques, as autoridades russas alegaram que o shopping não era o alvo.

Como combater a Rússia e apoiar a Ucrânia será o foco de uma cúpula nesta semana da aliança ocidental da Otan, cujo apoio tem sido fundamental para a capacidade de Kyiv de se defender das forças maiores e mais bem equipadas de Moscou.

Os líderes ucranianos, no entanto, dizem que precisam de mais e melhores armas se quiserem continuar resistindo e até mesmo expulsando a Rússia, que está pressionando um ataque total na região leste da Ucrânia de Donbas.

Enquanto Macron falava, equipes de resgate vasculhavam os escombros carbonizados do shopping que as autoridades disseram ter sido atingido por mais de 1.000 compradores e trabalhadores da tarde.


O ataque foi classificado como crime de guerra por Macron e autoridades ucranianas (AP)

Muitos dos que estavam dentro fugiram rapidamente do prédio quando uma sirene de ataque aéreo soou e se abrigaram do outro lado da rua, disse o ministro do Interior ucraniano, Denis Monastyrsky.

Vários dos corpos daqueles que não conseguiram sair a tempo estão queimados irreconhecíveis e sua identificação pode levar dias, disse ele.

Além dos 18 mortos, as autoridades disseram que 59 ficaram feridos. Outras 21 pessoas ainda estão desaparecidas, disse Monastyrsky.

O ataque lembrou os ataques anteriores da guerra que atingiram um teatro, uma estação de trem e um hospital.


Um policial inspeciona um fragmento de um foguete russo preso em um tronco de árvore a cerca de 300 metros do epicentro do ataque de foguete russo (AP)

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky o chamou de “um dos ataques terroristas mais ousados ​​da história europeia”, enquanto os líderes do G7 disseram que “ataques indiscriminados contra civis inocentes constituem um crime de guerra”.

A pedido da Ucrânia, o Conselho de Segurança da ONU agendou uma reunião de emergência em Nova York na terça-feira para discutir o ataque.

Como a condenação do ataque veio de muitos quadrantes, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, fez uma nota desafiadora, dizendo que a Rússia pressionaria sua ofensiva até cumprir seus objetivos.

Ele disse que as hostilidades podem parar “antes do final do dia” se a Ucrânia se render e atender às exigências da Rússia, incluindo o reconhecimento de seu controle sobre o território que tomou à força.

O porta-voz do Ministério da Defesa russo, tenente-general Igor Konashenkov, afirmou que aviões de guerra dispararam mísseis guiados com precisão em um depósito que continha armas e munições ocidentais, que detonaram e incendiaram o shopping.

Autoridades ucranianas contradizem isso, dizendo que o shopping foi atingido diretamente.

O tenente-general Konashenkov disse que o depósito fica perto de uma fábrica de equipamentos para construção de estradas.

Mykola Danileiko, porta-voz dessa fábrica, confirmou que foi atingida junto com o shopping, mas insistiu que não havia armas no local.


Muitas das vítimas teriam sido queimadas irreconhecíveis (AP)

Wayne Jordash, um advogado britânico que está trabalhando com autoridades ucranianas para investigar possíveis crimes de guerra, disse que as indicações iniciais eram de que não havia alvos militares nas proximidades, mas a investigação está em andamento.

Na terça-feira, forças russas atacaram a cidade de Ochakiv, no Mar Negro, danificando prédios de apartamentos e matando duas pessoas, incluindo uma criança de seis anos.

Outras seis pessoas, quatro delas crianças, ficaram feridas. Um deles, um bebê de três meses, está em coma, segundo autoridades locais.

A onda de fogo incomumente intensa nos últimos dias ocorreu quando os líderes do G7 se reuniram na Europa. Eles prometeram apoio contínuo à Ucrânia e as principais economias do mundo prepararam novas sanções contra a Rússia, incluindo um teto de preço do petróleo e tarifas mais altas sobre mercadorias.


Pelo menos 18 pessoas morreram (AP)

Zelensky pediu mais sistemas de defesa aérea de seus aliados ocidentais para ajudar suas forças a reagir. Os EUA pareciam prontos para responder a esse chamado, e o apoio da Otan à Ucrânia será o foco principal de sua cúpula, já que a aliança volta sua atenção mais uma vez para enfrentar uma Rússia adversária.

Em um aviso sinistro quando os líderes da Otan se reuniram em Madri antes da cúpula, a corporação espacial estatal russa Roscosmos publicou imagens de satélite e as coordenadas precisas da sala de conferências onde a reunião será realizada.

Também postou as imagens e coordenadas da Casa Branca, do Pentágono e das sedes do governo em Londres, Paris e Berlim – referindo-se a eles como “centros de tomada de decisão que apoiam os nacionalistas ucranianos” em uma mensagem no aplicativo Telegram.

Essa redação ecoa as advertências anteriores do presidente russo, Vladimir Putin, de que ele poderia atacar esses centros em resposta ao que chamou de ações ocidentais agressivas.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.