Líder supremo pede que os iranianos votem e frustrem “planos e planos” dos EUA

Os iranianos estavam votando em um novo parlamento, com a participação vista como uma medida-chave de apoio à liderança do Irã, já que as sanções pesam sobre a economia e isolam o país diplomaticamente.

A desqualificação de mais de 7.000 candidatos em potencial, a maioria reformistas e moderados, levantou a possibilidade de comparecimento abaixo do normal.

A liderança e a mídia estatal do Irã pediram a participação dos eleitores, com alguns o enquadrando como um dever religioso.

O líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, votou em uma mesquita perto de seu escritório em Teerã, pouco depois das pesquisas começarem às 7h e instar os iranianos a participar das pesquisas.

“Quem se importa com os interesses nacionais do Irã deve participar da eleição”, disse ele.

Eleitores com máscaras faciais preenchem suas cédulas nas eleições parlamentares em uma estação de votação em Teerã, Irã (Vahid Salemi / AP)

No início da semana, Khamenei disse que a alta participação dos eleitores impedirá “conspirações e planos” de americanos e apoiadores de Israel contra o Irã.

“Os inimigos querem ver quais são os resultados da pressão máxima nos EUA”, disse ele, referindo-se às sanções e pressões dos EUA de Washington que estrangularam a capacidade do Irã de vender seu petróleo no exterior, forçando sua economia à recessão.

Na véspera da votação, o governo Trump impôs sanções a dois altos funcionários do Conselho Guardião, incluindo seu chefe, e três membros de seu comitê de supervisão de eleições.

Autoridades dos EUA disseram que os alvos eram responsáveis ​​por silenciar a voz do povo iraniano ao rejeitar mais de 7.000 candidatos.

O líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, dá seu voto (Gabinete do Líder Supremo / AP)

Cerca de 7.000 candidatos deixaram a corrida após a desqualificação em 208 círculos eleitorais para a câmara de 290 lugares.

As tensões com os Estados Unidos podem fortalecer os linha-dura, reforçando a desconfiança de longa data do Ocidente.

A crise com Washington disparou depois que um ataque aéreo dos EUA em janeiro matou o principal general do Irã, Qassem Soleimani.

A greve levou a um confronto tenso no qual as forças iranianas derrubaram acidentalmente um avião de passageiros ucraniano depois que decolou de Teerã, matando todas as 176 pessoas a bordo.

Um eleitor exibe um sinal de vitória com o dedo coberto durante a votação (Ebrahim Noroozi / AP)“/>
Um eleitor exibe um sinal de vitória com o dedo coberto durante a votação (Ebrahim Noroozi / AP)

A maioria dos mortos era iraniana.

A derrubada e as tentativas das autoridades de ocultar inicialmente a causa do acidente provocaram raiva e protestos públicos no Irã.

A eleição está sendo realizada em um momento de crescente dificuldade econômica.

Os iranianos viram o preço dos bens básicos disparar, a inflação e o desemprego subiram e a moeda local despencou desde que o presidente Donald Trump retirou os EUA do acordo nuclear do Irã com as potências mundiais e impôs sanções.

Os problemas econômicos enfrentados pelos iranianos comuns alimentaram protestos contra o governo em novembro.

Grupos internacionais de direitos humanos dizem que pelo menos 300 pessoas foram mortas nos protestos.

Iranianos fazem fila para votar (Vahid Salemi / AP)

O parlamento no Irã não tem poder para ditar políticas importantes, mas debate o orçamento anual e o possível impeachment de ministros.

O poder no Irã, em última análise, cabe a Khamenei, que tem a palavra final em todos os assuntos-chave.

Também paira sobre a eleição a ameaça do novo vírus Covid-19, que foi confirmado em cinco pessoas no Irã nesta semana, incluindo dois idosos que morreram na cidade de Qom.

Preocupações com a disseminação do vírus, originário da China central, levaram as autoridades do Irã a fechar todas as escolas e seminários xiitas em Qom.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *