Joe Biden avaliará posição chinesa sobre a Ucrânia em ligação a Xi Jinping


O presidente Joe Biden e o chinês Xi Jinping devem falar na sexta-feira, enquanto a Casa Branca alerta Pequim que fornecer assistência militar ou econômica para a invasão da Ucrânia pela Rússia provocará graves consequências de Washington e além.

O planejamento para a ligação está em andamento desde que Biden e Xi realizaram uma cúpula virtual em novembro, mas as diferenças entre Washington e Pequim sobre a acusação do presidente russo Vladimir Putin de sua guerra de três semanas contra a Ucrânia devem estar no centro da discussão. a chamada.

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, disse que Biden questionará Xi sobre o “apoio retórico” de Pequim a Putin e uma “ausência de denúncia” da brutal invasão russa da Ucrânia.

“Esta é uma oportunidade para avaliar a posição do presidente Xi”, disse Psaki.


Joe Biden deve alertar a China para não apoiar a invasão russa da Ucrânia, que deixou as cidades do país em ruínas (AP Photo/Felipe Dana)

A China na sexta-feira novamente procurou destacar seus apelos por negociações e doações de ajuda humanitária, enquanto acusa os EUA de provocar a Rússia e alimentar o conflito enviando armas para a Ucrânia.

“A China pediu todos os esforços para evitar baixas civis o tempo todo”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, a repórteres em uma entrevista diária. “O que os civis na Ucrânia precisam mais: comida e sacos de dormir ou metralhadoras e artilharia? É fácil responder.”

Em uma tentativa de mostrar apoio internacional à posição da China, a emissora estatal CCTV disse que Xi discutiu a Ucrânia em telefonemas com o presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, e o primeiro-ministro cambojano, Hun Sen, acrescentando que as opiniões dos líderes eram “extremamente próximas”.

A relação EUA-China, há muito tensa, só se tornou mais tensa desde o início da presidência de Biden. Biden criticou repetidamente a China por provocações militares contra Taiwan, abusos de direitos humanos contra minorias étnicas e esforços para esmagar defensores pró-democracia em Hong Kong.

Mas a relação pode ter atingido um novo patamar com a invasão russa.

Nos dias após Putin enviar forças russas para a Ucrânia, o governo de Xi tentou se distanciar da ofensiva da Rússia, mas evitou criticar Moscou. Em outros momentos, as ações de Pequim foram provocativas e incluíram a ampliação de alegações russas não verificadas de que a Ucrânia administrava laboratórios de armas químicas e biológicas com o apoio dos EUA.


O secretário de Estado, Antony Blinken, disse que os EUA ‘imporão custos’ à China se optar por apoiar Vladimir Putin (Saul Loeb/Pool via AP)

No início desta semana, os EUA informaram aliados asiáticos e europeus que a inteligência americana havia determinado que a China havia sinalizado à Rússia que estaria disposta a fornecer apoio militar à campanha na Ucrânia e apoio financeiro para ajudar a evitar o impacto das severas sanções impostas. pelo Ocidente.

O secretário de Estado, Antony Blinken, reiterou na quinta-feira que o governo Biden continua preocupado com o fato de a China estar considerando fornecer equipamentos militares à Rússia. Ele disse que Biden deixaria claro para Xi “que a China assumirá a responsabilidade por quaisquer ações que tomar para apoiar a agressão da Rússia, e não hesitaremos em impor custos”.

O conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, e o conselheiro sênior de política externa chinesa, Yang Jiechi, se reuniram em Roma no início desta semana para uma intensa conversa de sete horas sobre a invasão russa e outras questões.

Antes das negociações em Roma, Sullivan disse que os EUA não aceitariam a China ou qualquer outro país que ajude a Rússia a contornar as sanções econômicas infligidas pelos EUA e outros aliados desde a invasão de 24 de fevereiro.

Sullivan também disse que o governo determinou que a China sabia que Putin “estava planejando algo” antes da invasão da Ucrânia, mas o governo chinês “pode não ter entendido toda a extensão” do que Putin tinha em mente.

Xi e Putin se encontraram no início de fevereiro, semanas antes da invasão, com o líder russo viajando a Pequim para o início dos Jogos Olímpicos de Inverno. Durante a visita de Putin, os dois líderes emitiram uma declaração de 5.000 palavras declarando “amizade” ilimitada.

A liderança de Pequim gostaria de apoiar a Rússia, mas também reconhece o quão ruim a ação militar russa está indo, já que um exército ucraniano superado apresentou forte resistência, de acordo com uma autoridade ocidental familiarizada com as avaliações atuais da inteligência.

O funcionário, que não estava autorizado a comentar e falou sob condição de anonimato, disse que Pequim está avaliando o potencial “retorno de reputação” de estar associado ao campo russo. A resposta chinesa ao pedido de ajuda da Rússia “está em processo de formulação”, acrescentou o funcionário.

Embora vista como aliada da Rússia, a China também estendeu a mão à Ucrânia, com seu embaixador no país citado na segunda-feira dizendo: “A China é um país amigável para o povo ucraniano. Como embaixador, posso dizer com responsabilidade que a China será para sempre uma boa força para a Ucrânia, tanto econômica quanto politicamente”.

“Vimos o quão grande é a unidade do povo ucraniano, e isso significa sua força”, disse Fan Xianrong ao serviço de notícias estatal da Ucrânia, Ukrinform, dizendo às autoridades regionais na cidade ocidental de Lviv, onde a embaixada chinesa se mudou. para.

Apesar das tensões nas relações EUA-China, Biden e Xi procuraram manter aberto o diálogo líder a líder e se familiarizaram por meio de sua ascensão política.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.