Irmão de Alexei Navalny preso durante batidas policiais em apartamentos de Moscou


A polícia de Moscou lançou uma série de operações contra apartamentos e escritórios da família e associados do líder da oposição russo Alexei Navalny.

Os locais incluem o apartamento do Sr. Navalny, onde a polícia deteve seu irmão Oleg, e um apartamento alugado onde a esposa do Sr. Navalny, Yulia, vive.

Vídeo na estação de TV Dozhd na internet mostrou Yulia Navalny dizendo a jornalistas da janela que a polícia não permitiu que seu advogado entrasse no apartamento.

As batidas ocorreram quatro dias antes dos protestos que os apoiadores de Navalny convocaram para domingo.

Manifestações pedindo sua libertação ocorreram em mais de 100 cidades em todo o país no último sábado, uma forte demonstração de raiva crescente contra o Kremlin. Quase 4.000 pessoas foram presas nesses protestos.


Um policial e um investigador estão atrás da porta do apartamento do líder da oposição preso Alexei Navalny em Moscou (Pavel Golovkin / AP)

Outros locais invadidos pela polícia na quarta-feira foram os escritórios da fundação anticorrupção de Navalny e o estúdio que produz seus vídeos e transmissões online.

Os vídeos e transmissões populares ajudaram a transformar Navalny no inimigo mais proeminente e persistente do presidente russo, Vladimir Putin.

Não houve comentários imediatos da polícia sobre as buscas. Associados de Navalny disseram nas redes sociais que as buscas estavam relacionadas a supostas violações dos regulamentos epidemiológicos do protesto em massa da semana passada em Moscou.

Mas “o verdadeiro motivo das buscas nas equipes, parentes e escritórios de Navalny é o medo louco de Putin”, disse a equipe de Navalny em uma mensagem.

O desafio de Navalny a Putin aumentou depois que ele foi preso em 17 de janeiro ao retornar da Alemanha, onde passou cinco meses se recuperando de um envenenamento por agente nervoso que atribui ao Kremlin.

Dois dias depois de sua prisão, sua organização divulgou uma extensa reportagem em vídeo sobre um complexo palaciano à beira-mar supostamente construído para Putin. Foi visto dezenas de milhões de vezes, alimentando ainda mais o descontentamento.

Navalny, o inimigo mais proeminente e durável do Kremlin, entrou em coma a bordo de um vôo doméstico da Sibéria para Moscou em 20 de agosto.

Ele foi transferido de um hospital na Sibéria para um hospital de Berlim dois dias depois. Laboratórios na Alemanha, França e Suécia, e testes da Organização para a Proibição de Armas Químicas, estabeleceram que ele foi exposto ao agente nervoso Novichok da era soviética.

As autoridades russas se recusaram a abrir um inquérito criminal de pleno direito, alegando falta de evidências de que Navalny foi envenenado.

Em dezembro, Navalny divulgou a gravação de um telefonema que disse ter feito para um homem que descreveu como suposto membro de um grupo de oficiais do Serviço de Segurança Federal, ou FSB, que supostamente o envenenou em agosto e depois tentou cobrir isso. O FSB considerou a gravação falsa.

A prisão de Navalny e as duras ações policiais nos protestos geraram muitas críticas do Ocidente e pediram sua libertação.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse na quarta-feira que uma declaração de chanceleres do G7 condenando sua prisão constitui “interferência grosseira” nos assuntos internos da Rússia.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *