Irã pede resposta ‘realista’ dos EUA para reviver acordo nuclear


O ministro das Relações Exteriores do Irã pediu neste sábado uma “resposta realista” dos Estados Unidos às propostas iranianas em negociações indiretas em Viena destinadas a reviver o acordo nuclear de Teerã de 2015 com potências mundiais, informou a mídia estatal.

Os comentários foram feitos no momento em que as negociações continuaram pelo terceiro dia no sábado, com poucos esperando um acordo inovador, enquanto o disputado programa de enriquecimento de urânio de Teerã avança.

“Hossein Amirabdollahian… enfatizou a necessidade de uma resposta realista dos EUA às propostas construtivas do Irã em várias questões para que o acordo funcione”, informou a mídia estatal, sem fornecer detalhes sobre as propostas.

Pouco resta do pacto de 2015 entre Irã e Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Rússia e China, que suspendeu as sanções contra Teerã em troca de restrições à atividade de enriquecimento iraniana que o Ocidente teme que possa produzir bombas atômicas.

Em 2018, o então presidente dos EUA, Donald Trump, abandonou o acordo e reimpôs duras sanções. Em resposta, Teerã – que diz que seu programa nuclear é para geração de energia e outros fins pacíficos – violou o acordo de várias maneiras, incluindo a reconstrução de estoques de urânio enriquecido.

A mídia iraniana sugeriu que um ponto de discórdia nas negociações para reviver o pacto pode ser a recusa do Irã em abordar supostos vestígios de urânio inexplicáveis, conforme exigido pelo órgão de vigilância nuclear da ONU (AIEA), com Teerã insistindo que o acordo nuclear havia liberado seu programa nuclear de suposta possível dimensões militares.

Em junho, o Conselho de Governadores da Agência Internacional de Energia Atômica aprovou uma resolução criticando o Irã por não explicar os vestígios de urânio encontrados em locais não declarados. Mas um assessor presidencial iraniano disse que Teerã exigiu que a questão fosse encerrada antes de concordar em retomar o cumprimento do pacto.

Reivindicações, demandas

“Em todas as ligações telefônicas do (presidente Ebrahim) Raisi com os presidentes da França, Rússia e China, sua posição firme foi de que um acordo final só poderia ser alcançado quando as reivindicações de salvaguardas fossem resolvidas e encerradas”, a mídia estatal citou no sábado o deputado. chefe do escritório de Raisi como dizendo.

As partes europeias do acordo pediram na sexta-feira que o Irã “não faça exigências irreais fora do escopo do JCPoA (acordo nuclear), incluindo as salvaguardas da AIEA”.

“O texto está na mesa. Não haverá reabertura das negociações. O Irã deve agora decidir concluir o acordo enquanto isso ainda é possível”, disse um comunicado europeu.

As negociações indiretas entre Teerã e Washington foram retomadas em Viena na quinta-feira com uma reunião entre o principal negociador nuclear da República Islâmica, Ali Bagheri Kani, e o coordenador da União Europeia, Enrique Mora.

A Reuters, citando uma autoridade iraniana e uma europeia, informou em junho que Teerã havia derrubado um grande obstáculo – sua exigência pela remoção de seus Guardas Revolucionários de uma lista de sanções dos EUA.

Um alto funcionário iraniano sugeriu que a questão pode não ser mais um ponto de discórdia, dizendo à Reuters na quinta-feira: “Temos nossas próprias sugestões que serão discutidas nas negociações de Viena, como suspender gradualmente as sanções aos Guardas”. -Reuters



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.