Imagem do abraço do Coronavirus chamada World Press Photo of the Year


Uma foto simbolizando “amor e compaixão” de uma brasileira de 85 anos recebendo seu primeiro abraço em cinco meses de uma enfermeira através de uma “cortina de abraço” transparente foi eleita a World Press Photo of the Year.

A escolha de uma foto vencedora retratando a pandemia global era quase inevitável para o concurso que abrangeu um ano em que as notícias ao redor do globo foram dominadas pelo vírus que matou quase três milhões de pessoas, incluindo mais de 360.000 no Brasil duramente atingido.

A imagem do fotógrafo dinamarquês Mads Nissen captou o momento em que Rosa Luzia Lunardi foi abraçada pela enfermeira Adriana Silva da Costa Souza no lar Viva Bem, em São Paulo, no dia 5 de agosto.

Uma cortina de plástico transparente – suas bordas amarelas dobradas em uma forma semelhante a um par de asas de borboleta – oferece proteção, assim como a máscara facial da enfermeira.

“Esta imagem icônica da Covid-19 homenageia o momento mais extraordinário de nossas vidas, em todos os lugares”, disse o membro do júri Kevin WY Lee.

“Eu li vulnerabilidade, entes queridos, perda e separação, morte, mas, mais importante, também sobrevivência – tudo em uma imagem gráfica. Se você olhar para a imagem por tempo suficiente, verá asas: um símbolo de vôo e esperança. ”

A imagem tirada por Nissen para a agência Panos Pictures e para o diário dinamarquês Politiken também ganhou o primeiro lugar na prestigiada categoria General News Singles.

“A principal mensagem desta imagem é a empatia. É amor e compaixão ”, disse Nissen em um comentário divulgado pelos organizadores do concurso.

“É uma situação muito, muito difícil e sombria e então, naquele horror, naquele sofrimento, acho que esta imagem também traz alguma luz”, disse Nissen em uma cerimônia de premiação online após ser informado de que havia ganhado o prêmio e o (£ 4.300) prêmio que vai com ele.

O segundo lugar na categoria foi uma imagem muito mais sombria do Covid-19 – o corpo de uma suposta vítima de coronavírus embrulhado em plástico em um hospital na Indonésia em 18 de abril pelo fotógrafo indonésio Joshua Irwandi.

A pandemia chegou até a categoria Meio Ambiente, com o fotógrafo americano Ralph Pace vencendo por sua imagem de um curioso leão-marinho da Califórnia nadando em direção a uma máscara facial submersa no local de mergulho Breakwater em Monterey.


A vencedora do prêmio World Press Photo of the Year, e primeiro lugar na categoria General News Singles, mostrando Rosa Luzia Lunardi abraçada pela enfermeira Adriana Silva da Costa Souza, no asilo Viva Bem, São Paulo, Brasil (Mads Nissen, Politiken , Panos Pictures, World Press Photo via AP)

Os juízes examinaram 74.470 fotografias de 4.315 fotógrafos antes de selecionar os vencedores em oito categorias, incluindo notícias gerais, esportes, meio ambiente e retratos.

A História do Ano da World Press Photo foi concedida ao documentarista italiano Antonio Faccilongo, que trabalhava para a Getty Reportage, para uma série intitulada “Habibi” sobre detidos palestinos em prisões israelenses que contrabandeavam seu sêmen para fora de centros de detenção na esperança de criar uma família .

O vencedor na categoria Solteiros do Spot News foi uma imagem que incorporou o debate sobre raça nos Estados Unidos.

A foto de Evelyn Hockstein para o The Washington Post mostra um homem branco e uma mulher negra discordando sobre a remoção do Memorial da Emancipação em Washington, DC, que mostra um escravo libertado ajoelhado aos pés de Abraham Lincoln.

O movimento Black Lives Matter também apareceu, com a série do fotógrafo da Associated Press John Minchillo sobre as consequências do assassinato de George Floyd levando o terceiro prêmio na categoria Spot News Stories, que foi ganho pelo italiano Lorenzo Tugnoli trabalhando para a Contrasto para uma série de imagens que documentam o devastadora explosão portuária em Beirute.

A categoria Contemporary Issues Story foi ganha pelo fotógrafo russo Alexey Vasilyev com uma série sobre a indústria cinematográfica na região de Sakha, no nordeste da Rússia.

A fotógrafa da Associated Press, Maya Alleruzzo, ficou em segundo lugar na categoria com uma matéria sobre o chamado grupo do Estado Islâmico que escraviza mulheres Yazidi no Iraque.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.