huawei: O advogado do CFO da Huawei contesta o que o HSBC conhecia como caso de extradição dos EUA continua – Últimas Notícias

Huawei Diretor financeiro Meng WanzhouA audiência de extradição dos EUA foi retomada em um tribunal canadense na segunda-feira, com a defesa contrariando as alegações dos promotores de que Meng enganou o HSBC sobre o relacionamento da empresa de telecomunicações chinesa com sua afiliada enquanto fazia negócios no Irã.

Com o início de cinco dias de audiências na Suprema Corte da Colúmbia Britânica, a defesa investigou as supostas violações da sanção que levaram à prisão de Meng. Filha do fundador da Huawei Ren Zhengfei é acusada pelos Estados Unidos de enganar o HSBC sobre os acordos comerciais de sua empresa no Irã, fazendo com que o banco violasse as sanções americanas.

Meng, 49, foi presa no aeroporto de Vancouver em dezembro de 2018 por um mandado dos Estados Unidos e vive em prisão domiciliar enquanto seu caso tramita nos tribunais do Canadá.

O advogado de defesa Frank Addario deu início a uma nova fase de audiências com a afirmação de que o gerente global de relacionamento com o cliente do HSBC, encarregado de supervisionar suas negociações com Huawei Technologies, sabia que a Huawei controlava as contas da Skycom Tech Co Ltd.

Os promotores dos EUA alegam que a Skycom operava como uma afiliada da Huawei no Irã e que Meng deturpou essa relação. Meng supostamente fez declarações sugerindo que a Skycom foi vendida a terceiros, de acordo com os promotores, quando na verdade foi vendida a uma empresa controladora controlada pela Huawei.

Addario respondeu que os e-mails dos funcionários do HSBC mostram que as informações sobre o controle da Skycom pela Huawei foram compartilhadas livremente antes e depois que esse relacionamento foi relatado pela primeira vez pela Reuters.

Addario disse que as evidências dos promotores norte-americanos de que o HSBC tomou decisões com base nas declarações de Meng “são muito enganosas, pois subestimam o conhecimento do gerente de relacionamento global”.

O promotor canadense Robert Frater se opôs ao apelo de Addario para admitir novas evidências na tarde de segunda-feira, insistindo que uma audiência de extradição não é um julgamento. Ele disse ao juiz que ela “não está aqui para fazer inferências sobre o estado de conhecimento deles (os funcionários do banco)”.

Frater argumentou que os advogados de defesa de Meng terão a oportunidade de interrogar testemunhas bancárias sobre seu conhecimento das afiliadas da Huawei no julgamento.

Após o testemunho de oficiais de fronteira canadenses e policiais envolvidos no caso no final de 2020, as últimas audiências também se concentrarão no então presidente Donald Trumpsuposta interferência da no caso, bem como questões pendentes de depoimentos de testemunhas e outros abusos de argumentos do processo.

A prisão de Meng causou tensões entre Pequim e Ottawa e, logo depois, a China deteve dois canadenses, que continuam a ter acesso limitado a advogados ou funcionários diplomáticos.

O caso de Meng está programado para terminar em maio.




Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *