huawei: Huawei planeja vender unidade de smartphone Honor em negócio de US $ 15 bilhões


Huawei planeja vender marca de orçamento Smartphone unidade Honra em um acordo de 100 bilhões de yuans (US $ 15,2 bilhões) com um consórcio liderado pela distribuidora de celulares Digital China e o governo de sua cidade natal, Shenzhen, pessoas com conhecimento do assunto disseram à Reuters.

O plano surge no momento em que as restrições dos EUA ao fornecimento da Huawei Technologies Co Ltd forçam a segunda maior fabricante de smartphones do mundo – depois da coreana Samsung Electronics Co Ltd – a se concentrar em aparelhos de última geração e negócios orientados para empresas, disseram as pessoas.

Também indica pouca expectativa para qualquer mudança rápida na percepção dos EUA da Huawei como um risco de segurança após uma mudança na administração dos EUA, disse uma das pessoas.

A venda em dinheiro incluirá quase todos os ativos, incluindo recursos de marca, pesquisa e desenvolvimento e gerenciamento da cadeia de suprimentos, disseram as pessoas. A Huawei poderia anunciá-lo já no domingo, disse uma das pessoas.

O distribuidor principal da Honor, Digital China Group Co Ltd, se tornará um dos dois principais acionistas da entidade vendida Honor Terminal Co Ltd, com uma participação de quase 15%, disseram duas pessoas. O Honor Terminal foi incorporado em abril e é de propriedade total da Huawei, mostrou o registro corporativo.

A Digital China, que também é parceira da Huawei em negócios como computação em nuvem, planeja financiar a maior parte do negócio com empréstimos bancários, disseram as duas pessoas. Ela terá a companhia de pelo menos três firmas de investimento apoiadas pelo governo do centro financeiro e de tecnologia de Shenzhen, com cada uma possuindo de 10% a 15%, disseram eles.

Após a venda, a Honor planeja reter a maior parte de sua equipe administrativa e mais de 7.000 funcionários e abrir o capital em três anos, disseram as pessoas, recusando-se a ser identificada devido a restrições de confidencialidade.

Honor não quis comentar. Huawei, Digital China e o governo de Shenzhen não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

SANÇÕES

O governo dos EUA agiu no ano passado para impedir que a maioria das empresas norte-americanas fizesse negócios com a Huawei – também a maior fornecedora de equipamentos de telecomunicações do mundo – citando preocupações com a segurança nacional. Huawei negou repetidamente ser um risco de segurança.

Em maio, Washington anunciou regras destinadas a restringir a capacidade da Huawei de adquirir chips com tecnologia dos EUA para uso em equipamentos de rede de telecomunicações de quinta geração (5G) e smartphones, como suas séries premium P e Mate.



A Huawei estabeleceu a Honor em 2013, mas a maioria dos negócios opera de forma independente. O desinvestimento significará que a Honor não estará mais sujeita às sanções americanas da Huawei, disseram analistas.

A Honor vende smartphones por meio de seus próprios sites e varejistas terceirizados na China, onde compete com a Xiaomi, Oppo e Vivo no mercado de aparelhos de baixo custo. Ela também vende seus telefones no sudeste da Ásia e na Europa.

Os smartphones da marca Honor representaram 26% dos 51,7 milhões de aparelhos vendidos pela Huawei em julho-setembro, mostraram estimativas do pesquisador Canalys. Os produtos da Honor também incluem laptops, tablets, smart TVs e acessórios eletrônicos.

Com as margens estreitas para telefones de baixo custo, Honor reservou cerca de 6 bilhões de yuans em lucro líquido e receita de cerca de 90 bilhões de yuans no ano passado, disse uma das pessoas, citando números auditados.


Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *