Homem britânico testou Covid positivo por 10 meses consecutivos e foi hospitalizado 7 vezes Noticias do mundo


Um homem britânico de 72 anos testou positivo para coronavírus por 10 meses no que é considerado o caso mais longo registrado de infecção contínua, disseram os pesquisadores na quinta-feira.

Dave Smith, um instrutor de direção aposentado de Bristol, no oeste da Inglaterra, disse que testou positivo 43 vezes, foi hospitalizado sete vezes e fez planos para o funeral.

“Eu me resignei, chamei a família, fiz as pazes com todos, disse adeus”, disse ele à televisão BBC.

Sua esposa, Linda, que ficou de quarentena com ele em casa, disse: “Houve muitas vezes em que pensamos que ele não iria se recuperar. Foi um ano e tanto”.

Ed Moran, um consultor em doenças infecciosas da University of Bristol e North Bristol NHS Trust, disse que Smith “tinha um vírus ativo em seu corpo” o tempo todo.

“Conseguimos provar isso enviando uma amostra de seu vírus a parceiros universitários que conseguiram cultivá-lo, provando que não eram apenas os restos de produtos que estavam acionando um teste de PCR, mas um vírus ativo e viável.

Smith se recuperou após o tratamento com um coquetel de anticorpos sintéticos desenvolvido pela empresa de biotecnologia Regeneron dos Estados Unidos.

Isso foi permitido por motivos de compaixão em seu caso, mas o regime de tratamento não foi clinicamente aprovado para uso na Grã-Bretanha.

Os resultados de um ensaio clínico publicado este mês mostraram que o tratamento reduziu as mortes entre os pacientes graves da Covid que são incapazes de montar uma forte resposta imunológica.

“É como se você tivesse recebido sua vida de volta”, disse Smith à BBC.

Ele e sua esposa abriram uma garrafa de champanhe quando ele finalmente deu negativo, 45 dias após receber o medicamento Regeneron e cerca de 305 dias após sua primeira infecção.

O tratamento de Smith não fazia parte de um ensaio médico oficial, mas seu caso agora está sendo estudado pelo virologista Andrew Davidson, da Universidade de Bristol.

Um artigo sobre seu caso será apresentado no Congresso Europeu de Microbiologia Clínica e Doenças Infecciosas em julho, dizendo que ele é considerado “a infecção mais longa registrada na literatura”.

“Onde o vírus se esconde no corpo? Como ele pode permanecer infectando as pessoas de forma persistente? Não sabemos disso”, disse Davidson.

Smith tinha histórico de doença pulmonar e havia se recuperado recentemente da leucemia quando pegou o vírus em março de 2020.

Ele disse ao jornal The Guardian que, desde sua recuperação, ainda fica sem fôlego, mas já viajou pela Grã-Bretanha e está ensinando sua neta a dirigir.

“Estive no fundo do poço e tudo está brilhante agora”, disse ele.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.