Guerra na Ucrânia aumenta vendas globais de armas, mas órgão de vigilância alerta para desafios futuros


As vendas globais de armas aumentaram quase 2% em 2021, o sétimo ano consecutivo de aumentos, observou um órgão regulador das vendas internacionais de armas na segunda-feira.

O Stockholm International Peace Research Institute (Sipri) acrescentou que a guerra na Ucrânia aumentou a demanda por armas este ano, mas o conflito também pode levar a um desafio de abastecimento, até porque a Rússia é um importante fornecedor de matérias-primas usadas na produção de armas.

Isso pode prejudicar os esforços dos Estados Unidos e da Europa para fortalecer suas forças armadas e reabastecer seus estoques depois de enviar bilhões de dólares em munição e outros equipamentos para a Ucrânia, disse Sipri.

“Aumentar a produção leva tempo”, disse o pesquisador sênior Diego Lopes da Silva, acrescentando que, se as interrupções na cadeia de suprimentos continuarem, “pode levar vários anos para alguns dos principais produtores de armas atenderem à nova demanda criada pela guerra na Ucrânia”.

Sipri observou que alguns relatórios indicam que as empresas russas estão aumentando a produção por causa da guerra, mas tiveram dificuldade em acessar semicondutores e também estão sendo afetadas por sanções relacionadas à guerra.

Ele citou o exemplo de uma empresa que disse não ter conseguido receber pagamentos por algumas de suas entregas de exportação de armas.

As vendas de armas em 2021 aumentaram 1,9%, para 592 bilhões de dólares americanos (£ 481,3 bilhões), um valor superior ao do período anterior, mas ainda abaixo da média dos quatro anos que antecederam a pandemia de Covid-19.

Um soldado segura um novo fuzil M19 fabricado pela empresa de armamentos sérvia Zastava Arms em uma feira de armas em Belgrado em outubro (Darko Vojinovic/AP)

Em seu relatório, publicado na segunda-feira, a Sipri disse que “muitas partes da indústria de armas ainda foram afetadas por interrupções relacionadas à pandemia nas cadeias de suprimentos globais em 2021, que incluíram atrasos no transporte global e escassez de componentes vitais”.

Lucie Beraud-Sudreau, chefe do programa de gastos militares e produção de armas Sipri, disse: “Poderíamos ter esperado um crescimento ainda maior nas vendas de armas em 2021 sem problemas persistentes na cadeia de suprimentos”.

Ela destacou empresas como a Airbus e a General Dynamics, que também relataram escassez de mão de obra.

O instituto compilou uma lista das 100 maiores empresas de produção de armas e serviços militares do mundo.

Embora as empresas americanas dominem as vendas de armas – 40 empresas americanas apareceram nessa lista com vendas totalizando 299 bilhões de dólares (£ 243,1 bilhões) em 2021 – a região da América do Norte foi a única a ver uma queda de 0,9% nas vendas de armas em comparação com 2020.

Para 2021, 27 dos 100 principais fornecedores de armas estavam sediados na Europa e a região viu as vendas combinadas de armas aumentarem 4,2% em comparação com 2020, totalizando 123 bilhões de dólares (£ 100 bilhões).

A França e a Itália registraram um aumento de 15% nas vendas entre as 100 maiores empresas de armas, o maior aumento geral.

As vendas combinadas de armas das 21 empresas na Ásia e Oceania incluídas atingiram 136 bilhões de dólares (£ 110,6 bilhões) em 2021 – um aumento de 5,8%.

Quanto à Rússia, seis empresas foram incluídas com vendas totais de 17,8 bilhões de dólares (£ 14,5 bilhões) – um aumento de 0,4% em relação a 2020.

Sipri observou que, antes da invasão russa da Ucrânia, havia sinais de que a estagnação era generalizada na indústria de armas russa.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *