Golpe militar de Mianmar não tem autoridade para revogar autoridade do presidente: Kyaw


A junta militar de Mianmar e o enviado enviado por seu governo civil derrubado fizeram reivindicações contraditórias sobre quem representa o país nas Nações Unidas, disseram autoridades na terça-feira.

O embaixador Kyaw Moe Tun rompeu espetacularmente com a junta antes da Assembleia Geral na sexta-feira, em um apelo emocionado por ajuda para restaurar a líder civil deposto, Aung San Suu Kyi.

No dia seguinte, a junta disse que o enviado havia sido demitido, mas na segunda-feira Kyaw Moe Tun enviou uma carta ao presidente da Assembleia Geral da ONU para dizer que ele ainda ocupa o cargo.

“Os autores do golpe ilegal … não têm autoridade para revogar a autoridade legítima do presidente do meu país”, dizia a carta obtida pela AFP, referindo-se a Suu Kyi.

“Desejo, portanto, confirmar a vocês que continuo sendo o representante permanente de Mianmar nas Nações Unidas”, acrescentou.

Leia também:

Na terça-feira, o Ministério das Relações Exteriores de Mianmar enviou uma nota verbal à ONU, também obtida pela AFP, alegando que Kyaw Moe Tun havia sido removido.

“O Ministério das Relações Exteriores … tem a honra de informar que o conselho de administração do Estado da república da União de Mianmar encerrou os deveres e responsabilidades do embaixador Kyaw Moe Tun”, disse a nota.

“No momento, Tin Maung Naing, vice-embaixador do representante permanente, foi designado encarregado de negócios ad interim da missão permanente”, acrescentou a nota.

O porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, disse em uma coletiva de imprensa que o corpo havia recebido as duas cartas “contraditórias”.

“Estamos dando uma olhada nessas cartas, de onde vieram e o que faremos”, disse ele.

Os Estados Unidos apoiaram Kyaw Moe Tun e saudaram sua “bravura”, com um porta-voz do Departamento de Estado dizendo “entendemos que o representante permanente permanece em seu cargo”.

“Continuaremos a nos opor ao golpe militar e continuaremos a apoiar a restauração do governo civil democraticamente eleito da Birmânia”, disse o porta-voz dos Estados Unidos.

Os comitês de credenciamento e protocolo da ONU examinarão a questão e, em seguida, encaminharão à Assembleia Geral.

Dujarric disse que a enviada da ONU a Mianmar, Christine Schraner Burgener, que está atualmente na Suíça, “continua suas conversas com várias partes sobre a situação atual”.

Na sexta-feira, Burgener disse que “é importante que a comunidade internacional não dê legitimidade ou reconhecimento a este regime” e pediu que a comunidade internacional pressione pelo retorno à democracia.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.