Foxconn pede desculpas por disputa salarial em fábrica chinesa


A empresa que monta os iPhones da Apple pediu desculpas pelo que chamou de erro técnico que levou a protestos de funcionários contra os salários oferecidos para atraí-los a uma fábrica atualmente sob restrições de coronavírus.

Os protestos eclodiram na terça-feira na cidade central de Zhengzhou depois que os funcionários reclamaram que o Foxconn Technology Group exigia que eles realizassem trabalho extra para receber o pagamento mais alto prometido pelos recrutadores.

A Foxconn está tentando reconstruir sua força de trabalho depois que milhares de funcionários saíram no mês passado devido a reclamações sobre condições inseguras.


Um confronto entre seguranças e manifestantes em Zhengzhou, na província de Henan, no centro da China (AP)

Vídeos nas redes sociais mostraram policiais em trajes de proteção brancos chutando e espancando trabalhadores enquanto eles protestavam.

A Foxconn, maior montadora contratada de smartphones e outros eletrônicos para a Apple e outras marcas globais, atribuiu a disputa a um “erro técnico” no processo de contratação de novos funcionários. Prometeu que receberiam o salário que lhes fora prometido.

A empresa disse: “Pedimos desculpas por um erro de entrada no sistema de computador e garantimos que o pagamento real é o mesmo acordado e os cartazes oficiais de recrutamento”.

Ele prometeu “fazer o possível para resolver ativamente as preocupações e demandas razoáveis ​​​​dos funcionários”.

A disputa ocorre quando o Partido Comunista tenta conter um aumento nos casos de coronavírus sem fechar fábricas, como fez em 2020, no início da pandemia.


Um manifestante é espancado durante os protestos (AP)

Suas táticas incluem “gerenciamento de circuito fechado” – ou seja, os funcionários vivem em seus locais de trabalho sem contato externo.

As autoridades prometeram no mês passado reduzir as interrupções econômicas cortando os tempos de quarentena e fazendo outras mudanças na estratégia “zero-Covid” da China, que visa isolar todos os casos.

Apesar disso, o aumento da infecção levou as autoridades a suspender o acesso a bairros e fábricas e a fechar prédios de escritórios, lojas e restaurantes em partes de muitas cidades.

Na quinta-feira, as pessoas em oito distritos de Zhengzhou, com um total de 6,6 milhões de residentes, foram instruídas a ficar em casa por cinco dias. Testes diários em massa foram ordenados no que o governo da cidade chamou de “guerra de aniquilação” contra o vírus.


Trabalhadores fazem fila para fazer o teste de Covid-19 na fábrica da Foxconn em Wuhan (Chinatopix via AP, Arquivo)

A Apple alertou anteriormente que as entregas do iPhone 14 seriam adiadas depois que os funcionários saíram da fábrica de Zhengzhou e o acesso à zona industrial ao redor da instalação foi suspenso após surtos.

Para atrair novos funcionários, a Foxconn ofereceu 25.000 yuans (£ 2.900) por dois meses de trabalho, segundo os funcionários – ou quase 50% a mais do que as notícias dizem que seus salários mais altos costumam ser.

Os funcionários reclamaram que, depois de chegarem, foram informados de que teriam que trabalhar mais dois meses com salários mais baixos para receber o salário mais alto.

A Foxconn ofereceu até 10.000 yuans (1.100 libras) para novos contratados que optassem por sair, informou a agência de notícias financeira Cailianshe, citando agentes de recrutamento não identificados.


Um manifestante é levado embora (AP)

A declaração da Foxconn na quinta-feira disse que os funcionários que saírem receberão “subsídios de assistência” não especificados, mas não deu detalhes. Ele prometeu “apoio abrangente” para aqueles que ficam.

Os protestos em Zhengzhou ocorrem em meio à frustração pública com as restrições que confinaram milhões de pessoas em suas casas.

Vídeos nas mídias sociais mostram moradores de algumas áreas derrubando barricadas montadas para impor o fechamento de bairros.

A Foxconn, com sede na cidade de New Taipei, Taiwan, negou anteriormente o que disse serem comentários online de que funcionários com o vírus viviam em dormitórios de fábricas.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.