Extratos de plantas dietéticas aliviam a diarreia e alteram as respostas imunológicas de porcos desmamados experimentalmente infectados com uma Escherichia coli patogênica


Um estudo foi conduzido para avaliar os efeitos de três diferentes extratos de plantas na diarreia, resposta imune, morfologia intestinal e desempenho de crescimento de leitões desmamados experimentalmente infectados com um patogênico F-18 Escherichia coli (E. coli). Sessenta e quatro leitões desmamados (6,3 ± 0,2 kg de peso corporal e 21 dias de idade) foram alojados em baias individuais em câmaras de contenção de doenças por 15 dias: 4 dias antes e 11 dias após a primeira inoculação (d 0). Os tratamentos foram em um arranjo fatorial 2 × 4: com ou sem um desafio de E. coli F-18 (toxinas: toxina termolábil, toxina estável ao calor b e toxina semelhante a Shiga 2; 10 (10) ufc / 3 mL dose oral; diariamente por 3 dias a partir do dia 0) e 4 dietas [a nursery basal diet (CON) or 10 ppm of capsicum oleoresin, garlic botanical, or turmeric oleoresin]. O desempenho do crescimento foi medido no d 0 a 5, 5 a 11 e 0 a 11. A pontuação da diarreia (1, normal, a 5, diarreia aquosa) foi registada para cada porco diariamente. A frequência da diarreia foi a percentagem de dias de porco com uma pontuação de diarreia de 3 ou superior. O sangue foi coletado nos dias 0, 5 e 11 para medir as contagens de leucócitos totais e diferenciais e fator de necrose tumoral sérica (TNF) -α, IL-10, fator de crescimento transformador (TGF) -β, proteína C reativa e haptoglobina. Nos dias 5 e 11, metade dos porcos foi sacrificada para medir a altura das vilosidades e a profundidade das criptas do intestino delgado e o número de macrófagos e neutrófilos no íleo. A infecção por E. coli aumentou (P <0,05) pontuação de diarreia, frequência de diarreia, contagens de leucócitos, TNF-α sérico e haptoglobina e macrófagos ileais e neutrófilos, mas reduziu (P <0,05) a altura das vilosidades e a proporção da altura das vilosidades até a profundidade da cripta do intestino delgado no dia 5. No grupo desafiado, a alimentação com extratos de plantas reduziu (P <0,05) a pontuação média de diarreia de d 0 a 2 ed 6 a 11 e a frequência de diarreia e diminuiu (P <0,05) TNF -α e haptoglobina no d 5, contagens de leucócitos e neutrófilos no d 11, e macrófagos ileais e neutrófilos no d 5. Os extratos vegetais de alimentação aumentaram (P <0,05) a altura das vilosidades ileais no d 5, mas não afetaram o desempenho de crescimento em comparação com o CON. No grupo simulado, a alimentação com extrato vegetal também reduziu (P <0,05) o escore de diarreia, a frequência de diarreia e os macrófagos ileais em comparação com o CON. Em conclusão, os 3 extratos de plantas testados reduziram a diarreia e a inflamação causadas pela infecção por E. coli, o que pode ser benéfico para a saúde dos suínos.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.